quarta-feira, dezembro 30, 2009

CARTA DE ANO BOM


Espírito: Casimiro Cunha

Psicografada por Chico Xavier

Do livro: "Cartas do Evangelho "



Entre um ano que se vai
E outro que se inicia,
Há sempre nova esperança,
Promessas de Novo Dia...

Considera, meu amigo,
Nesse pequeno intervalo,
Todo o tempo que perdeste
Sem saber aproveitá-lo.

Se o ano que se passou
Foi de amargura sombria,
Nosso Pai Nunca está pobre
Do pão de luz da alegria.

Pensa que o céu não esquece
A mais ínfima criatura,
E espera resignado
O teu quinhão de ventura.

Considera, sobretudo
Que precisas, doravante,
Encher de luz todo o tempo
Da bênção de cada instante.

Sê na oficina do mundo
O mais perfeito aprendiz,
Pois somente no trabalho
Teu ano será feliz.

Não esperes recompensas
Dos bens da vida terrestre,
Mas, volve toda a esperança
A paz do Divino Mestre.

Nas lutas, nunca te esqueça
Deste conceito profundo:
O reino da luz de Cristo
Não reside neste mundo.

Não olhes faltas alheias,
Não julgues o teu irmão,
Vive apenas no trabalho
De tua renovação.

Quem se esforça de verdade
Sabe a prática do bem,
Conhece os próprios deveres
Sem censurar a ninguém.

Ano Novo!... Pede ao Céu
Que te proteja o trabalho,
Que te conceda na fé
O mais sublime agasalho.

Ano Bom!... Deus te abençoe
No esforço que te conduz
Das sombras tristes da Terra
Para as bênçãos de Jesus.

quinta-feira, dezembro 24, 2009

OFERTA DE NATAL


Senhor!

Enquanto as melodias do Natal nos enternecem, recordamos também, ante o céu iluminado, a estrela divina que te assinalou o berço na palha singela!… De novo, alcançam-nos os ouvidos as vozes angélicas:
— Glória a Deus nas Alturas, paz na Terra, boa vontade para com os homens!…

E lembramo-nos do tópico inesquecível da narrativa de Lucas: “Havia na região da manjedoura pastores que viviam nos campos e velavam pelos rebanhos durante a noite; e um anjo do Senhor desceu onde eles se achavam e a glória do Senhor brilhou ao redor deles, pelo que se fizeram tomados de assombro… O anjo, porém, lhes disse:

"Não temais! eis que vos trago boas novas de grande alegria, que serão para todo o povo… É que hoje vos nasceu, na cidade de David, o Salvador, que é o Cristo, o Senhor.”

Desde o momento em que os pastores maravilhados se movimentaram para verte, na hora da alva, começaste, por misericórdia tua, a receber os testemunhos de afeição dos filhos da Terra.

Todavia, muito antes que te homenageassem com o ouro, o incenso e a mirra, expressando a admiração e a reverência do mundo, o teu cetro invisível se dignou acolher, em primeiro lugar, as pequeninas dádivas dos últimos! Só tu sabes, Senhor, os nomes daqueles que algo te ofertaram, em nome do amor puro, nos instantes da estrebaria:
A primeira frase de bênção…
A luz da candeia que principiou a brilhar quando se apagaram as irradiações do firmamento…
Os panos que te livraram do frio…
A manta humilde que te garantiu o leito improvisado…
Os primeiros braços que te enlaçaram ao colo para que José e Maria repousassem…
A primeira tigela de leite…
O socorro aos pais cansados…
Os utensílios de empréstimo para que te não faltasse assistência…
A bondade que manteve a ordem, ao redor da manjedoura, preservando-a de possíveis assaltos… O feno para o animal que devia transportar-te…

Hoje, Senhor, que quase vinte séculos transcorreram sobre o teu nascimento, nós, os pequeninos obreiros desencarnados, com a honra de cooperar em teu Evangelho Redivivo, pedimos vênia para algo ofertar-te…

Nada possuindo de nós, trazemos-te as páginas simples que tu mesmo nos inspiraste, os pensamentos de gratidão e de amor que nos saíram do coração, em forma de letras, em louvor de tua infinita bondade!

Recebe-os, ó Divino Benfeitor!, com a benevolência com que acolheste as primeiras palavras de respeito e os primeiros gestos de carinho com que as criaturas rudes e anônimas te afagaram na gloriosa descida à Terra!…

E que nós — Espíritos milenários fatigados do erro, mas renovados na esperança —possamos rever-te a figura sublime, nos recessos do coração, e repetir, como o velho Simeão, após acariciar-te na longa vigília do Templo:

— “Agora, Senhor, despede em paz os teus servos, segundo a tua palavra, porque os nossos olhos viram a salvação!…”

Emmanuel Uberaba, 25 de dezembro de 1966

(Mensagem psicografada por Francisco cândido Xavier no dia de Natal na Comunhão Espírita Cristã , Prefácio da Antologia Mediúnica do Natal, espíritos diversos)

segunda-feira, dezembro 14, 2009

Excelente imagem 3D de Allan Kardec


Uma beleza de trabalho. Parece real. Parece que estamos diante do próprio.
Clique na Foto para ampliá-la e aproveitar todos os detalhes.

Explicação ( em inglês) da origem da arte e endereço do site:

Title: Allan kardec - The coder of the Spiritism
Name: Pasquale Giacobelli
Country: Italy
Software: 3ds max

I decided to bring to conclusion this work of Allan Kardec began before the summer holidays. The subject was modeled using Zbrush, and rendered in 3dsmax ... with Mentalray. The character in question is Allan Kardec, before I'd like to offer a small historical explanation of why the choice of that subject. Born in Lyon, France, in 1803 and disembodied in Paris on 31 March 1861. University Teacher Education, physiology, chemistry, astronomy, in about 1850, using various mediums (Serious) spread around the world, to question the spirits, he noted with scrupulous scientific rigor and ordered the data obtained by codifying in 4 main books (The book of mediums, the book of spirits and the gospel according to the spirits' volume 1 and 2 ") information offered by the messengers of the spiritual worlds, (spirits higher education in charge of the human race the earth).

Tradução livre:
Decidi trazer a conclusão deste trabalho sobre Allan Kardec, que foi iniciado antes das férias de verão. [...] Trata-se de Allan Kardec. Nasceu em Lyon, França, em 1803 e foi enterrado em Paris, em 31 de março de 1961. Professor Universitário, Psicólogo, Químico e astrônomo. Em 1850, com a ajuda de mediuns sinceros, espalhou pelo mundo questões aos espíritos que ele anotou com meticuloso rigor científico, ordenando os arquivos obtidos, numa codificação de quatro principais livros ( Livro dos Mediuns, Livro dos Espíritos, e dois volumes de Evangelho Segundo o Espiritismo). Estas informaçãoes foram obtidas a partir de mensagens do mundo dos espíritos. Estes espíritos são seres de alta educação em contato com a humanidade da Terra.
N. do T. Estes seres de alta hierarquia espiritual já animaram corpos humanos em épocas passadas, estando no momento da comunicação na chamada Erraticidade, ou estado do espírito desencarnado.


quinta-feira, novembro 26, 2009

VERSÁTIL HOME VÍDEO (VIDEO SPIRITE) LANÇA DVD DE CURSO DE ESPIRITISMO


VERSÁTIL VÍDEO SPIRITE LANÇA CURSO SOBRE A DOUTRINA ESPÍRITA MINISTRADO POR THEREZINHA OLIVEIRA EM CAIXA ESPECIAL COM 12 DVDs


No próximo dia 11 de dezembro, a partir das 19 horas, na Livraria Cultura do Shopping Iguatemi, em Campinas (SP), a Versátil Vídeo Spirite, um selo da Versátil Home Vídeo, promove o lançamento de Iniciação ao Espiritismo, curso completo sobre Filosofia, Ciência e Religião ministrado por Therezinha Oliveira, brilhante educadora, escritora e oradora radicada em Campinas (SP), com mais de 50 anos de atividades ininterruptas no Movimento Espírita brasileiro.


São 12 DVDs com mais de 32 horas distribuídas em 36 aulas, além de mais de duas horas de vídeos extras, incluindo o filme biográfico Na Luz de Therezinha Oliveira, dirigido pelo pesquisador e documentarista espírita Oceano Vieira de Melo, o mesmo diretor de Eurípedes Barsanulfo – Educador e Médium Espírita, Chico Xavier – O Grande Médium Espírita, Divaldo Franco – Humanista e Médium Espírita e A Grande Síntese de Pietro Ubaldi, este último, selecionado e exibido durante a 33ª.Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

Iniciação ao Espiritismo é um lançamento histórico, rico em conhecimentos e servirá como fonte de estudos e pesquisas para muitas gerações de estudiosos e pessoas interessadas em aprimorar seus conhecimentos na Doutrina Espírita codificada pelo educador e filosofo francês Allan Kardec.

O LANÇAMENTO

Data: 11/12/2009
Local: Livraria Cultura do Shopping Center Iguatemi
Avenida Iguatemi 777
Vila Brandina, Campinas
Programação

19h00 – Exibição do filme biográfico Na Luz de Therezinha Oliveira (28 minutos)
20h00 – Coquetel de lançamento e noite de autógrafos com Therezinha Oliveira

Entrada livre, estacionamente no local
O CURSO INICIAÇÃO AO ESPIRITISMO

PRINCIPAIS TEMAS ABORDADOS NOS DVDs

Radiações e vibrações · Deus · A criação · Os espíritos · Classificação dos espíritos e dos mundos · Amor a Deus e ao próximo · Perispírito · Ação dos espíritos sobre os fluidos · O Evangelho no lar · Milagre ou fenômeno? · Lei de causa e efeito · Livre-arbítrio e progresso · Os espíritas e o casamento · Confissão e comunhão dos cristãos · Reencarnação · Argumentando sobre a reencarnação · Pais e filhos à luz da reencarnação · A família à luz da reencarnação · Bem aventurados os aflitos · Desencarnação · Provas e expiações · Desigualdade das riquezas · Um estudo sobre o batismo · Sono e sonhos · Fora da caridade, não há salvação · A prece · Oração dominical · Allan Kardec, o Codificador · As três revelações · A Doutrina Espírita e suas práticas · Mediunidade e seu desenvolvimento · Mediunidade e Espiritismo · De graça recebestes, de graça dai · Vigilância cristã · A parábola do semeador e a parábola da candeia · A parábola dos trabalhadores da última hora.


VÍDEOS EXTRAS

Apresentação do curso (Disco 6, 7 minutos.)
Therezinha Oliveira fala sobre os objetivos do curso.

Filme biográfico Na Luz de Therezinha Oliveira (Disco 1, 28 min.)
Amigos e colaboradores relembram a trajetória de Therezinha Oliveira e seu admirável trabalho de mais de 50 anos na seara Espírita.
Direção de Oceano Vieira de Melo.

Therezinha declama poesias (Disco 4, 25 min.)
Therezinha Oliveira declama, com muita emoção, poesias recebidas por inspiração.

Perguntas e respostas (Disco 12, 120 min.)
A educadora e escritora responde a uma série de questões sobre os mais variados assuntos.


INFORMAÇÕES TÉCNICAS
Digipack com 12 DVDs
Gênero: Documentário
Duração: 2060 minutos.
Ano de produção: 2006-2009
Áudio: Português Dolby Digital 2.0
Formato de tela: Fullscreen 1.33:1
Faixa etária: Livre
Colorido

A AUTORA

Com mais de 50 anos de atividades ininterruptas na educação espírita, Therezinha Oliveira já presidiu o Centro Espírita Allan Kardec de Campinas/SP.


Oradora brilhante, proferiu mais de duas mil palestras em todo o Brasil e até nos EUA.


É autora das sete obras (uma em co-autoria) da Coleção Estudos e Cursos, adotada com sucesso em diversas Casas Espíritas espalhadas pelo país e por aqueles que desejam sistematizar o estudo da Doutrina.


Destacam-se ainda na sua produção:


Ante os que Partiram

Deixem-me Viver

Reencarnação é Assim...

Suicídio? Um Doloroso Engano

Chegando à Casa Espírita

Espiritismo – a Doutrina e o Movimento

Na Luz do Espiritismo

Na Luz do Evangelho

Na Luz da Mediunidade

Na Luz da Reencarnação

Parábolas que Jesus Contou

Valem para Sempre

Jesus, O Cristo.
Suas obras já ultrapassaram a marca de 600 mil exemplares publicados, sendo 200 mil de livros e 400 mil de livretos.
Por sua experiência, conhecimento, ativa dedicação e fidelidade aos postulados espíritas, Therezinha Oliveira continua a contribuir de forma inestimável para a causa do Espiritismo.

Para maiores informações, favor entrar em contato com Fernando Brito, pelo telefone :

11- 3670-1954

ou e-mail:

terça-feira, outubro 27, 2009

Mais um aniversário da Escola Jesus Cristo

Celebramos espiritualmente mais um aniversário da setentenária Escola Jesus Cristo: 74 anos de luz nas nossas almas. É um privilégio pertencer a ela. Disse meu Pai, na sua primeira psicogrtafia pelo nosso querido Chico:
"A Escola Jesus Cristo é uma bandeira que nos honra a existência, aí no plano físico e no plano espiritual [...]"

A cerimônia foi simples. Falamos Rubinho, Celsinho e eu. E Clóvis Tavares foi lembrado por todos. Tivemos uma mesa formada por nós três, mais D. Wanda Joviano , filha do Dr. Rômulo Joviano, amigo de Clóvis e de Chico; D. Déa Medeiros, viúva de nosso querido Medeiros, diretor da Escola Jesus Cristo e do Lar dos Meninos, junto com meu Pai e a grata surpresa de termos a presença de Sr. Francisco de Paula, sobrinho em primeiro grau de Virgílio de Paula, o primeiro presidente da Escola Jesus Cristo.

A noite foi então memorável e após as palestras e a apresentação do Coral Virgílio de Paula, Wanda me confidenciou que Clovis Tavares esteve presente.

É importante anotar duas carinhosas manifestações que recebemos pela internet e que nos trouxeram muita alegria espiritual: André Marinho e Geraldo Lemos Neto.

"Caros D. Hilda, Margarida, Flávio, Luís e Celso, apesar de nesse fim de outubro não ter ido à Campos não me esqueci da data especial de aniversário da Escola Jesus Cristo e, cá do Rio, estou com vocês nas vibrações de todas as partes que emanam para essa laboriosa e histórica instituição cristã. Meu pensamento, nesses dias, está em Clóvis, em Nina, em Margarida Maria, em Chico e em tantos os benfeitores que fazem parte viva da Escola construída na Rocha da terra e do céu. Deus abençõe muito a vocês, os trabalhadores operantes que lutam, dia após dia, para cada vez mais a construir uma Escola mais e mais cristã.
Com carinho, André Marinho."


"Recebam os amigos da família Tavares, de nossa estimada Campos dos Goytacazes,
os meus abraços de parabéns pela data de hoje, que nos relembra a fundação da
Escola Jesus Cristo por Clóvis Tavares, naturalmente inspirado pelas forças mais
altas que nos governam os destinos para a Verdade Consoladora em nome de
Jesus !
Afetuosamente,
Geraldinho Lemos"



Jesus possa abençoar a todos!



segunda-feira, outubro 12, 2009

ORAÇÃO PELA CRIANÇA de Clóvis Tavares

Clóvis e uma criança da Casa da Criança, orfanato da Escola Jesus Cristo.

No dia 12 de outubro de 1942, fez o meu Pai, Clóvis Tavares, uma Oração pela Criança, na Rádio Cultura, em Campos-RJ, celebrando com uma oração àqueles que, no seu entender, eram o maior motivo da existência da Escola Jesus Cristo:


ORAÇÃO PELA CRIANÇA

Clóvis Tavares


Deixai vir a mim as criancinhas. [Lc.18:16]

Ó Amado Jesus! São passados quase dois mil anos de Tua gloriosa presença na Terra e Tua lição bendita de Verdade e Justiça, de Graça e de Amor, ainda espera abrigo no coração tempestuoso do mundo!
Vê! Meiguíssimo Jesus, como vive Teu grande rebanho nas desconexões da hora que passa necessitado de Tua Pessoa e de Teu Evangelho, que sofrem mais uma vez o insulto coleante das forças do mal!
Sentimos o calor de Tuas lágrimas, das lágrimas de profunda angústia, que tombam de Teus olhos divinos e descem do céu à terra.
Sentimos o pulsar de Teu coração gemente, transformado em pira de dor!Tudo isso mestre, se reflete em nós apesar de nossa vacuidade espiritual.
Sofremos Senhor, mas de pé Te afirmamos que não estamos esquecidos de Teu ensino de coragem e de confiança! Tu pediste:"Tende bom ânimo!" E às mulheres que Te choraram no caminho do Calvário, exortaste: "Não choreis por mim." Reconhecemos-Te por isso Jesus, como um Mestre de Amor e de Energia; de Ternura e de Varonilidade.
E entre os escombros desta civilização em mudança, nós contemplamos, ó Divino Rei, com o coração cheio de Tua sagrada Alegria, a infância, que desponta para as Tuas maravilhosas construções do futuro!
Miramos, Senhor, fixando esperanças, as criancinhas que se nos apresentam, sem paradoxo, o divino material humano que Tuas mãos dominicais transformarão em estrelas do terceiro milênio, nos verdadeiros super-homens da próxima civilização, em que o Teu Evangelho será a suprema Lei, em que o Teu Exemplo será o único dogma, em que Tu mesmo Jesus, serás o Pastor, o timoneiro, o Mestre, o Rei bendito de todas as criaturas!
Como sabes, Senhor, estamos comemorando a Semana da criança, entre as nossas lágrimas e a coragem que nos inspiras. Estamos a dedicar estes dias, Jesus, num singelo Hosana, aos Teus pequeninos, que são a Tua e a nossa esperança.
Lembramo-nos de Ti, Senhor! Num estado de inefável nostalgia, imaginamos-Te entre as criancinhas da Galiléia primaveril, abençoando-as com os Teus sorrisos divinos, embalando-as com os Teus braços carinhosos e envolventes. Muitas vezes, Tuas mãos sacratíssimas pousaram sobre as suas cabecinhas para a devolução amorosa da saúde suplicada. Muitas vezes, Senhor, Teu coração, no ritmo de tua inquebrantável bondade, restituiu os bens do corpo e do espírito, aos lares tristes, onde mães desventuradas te esperavam ansiosas, como Inconfundível Amigo e Salvador Divino!
Estamos na Semana da Criança, Senhor! Nós Te reconhecemos, Amantíssimo Jesus, de alma e coração, o Melhor e Maior Amigo das crianças!
Nem todos os pequeninos da Terra, nem todos os pais, nem todas as mães ainda Te conhecem, Mestre! Mas, abençoa-os a todos, Jesus!
Tu tens enviado ao Mundo, em todos os séculos da história terrestre, grandes amigos para as criancinhas. Comenius e Pestalozzi, Rousseau e Fröebel, Cigneus e Montessori, são dádivas de Teu Amor, que continua a permanece, trabalhando na divina harmonia do silêncio.
Agradecemos-te Jesus! Nossas esperanças tranquilas e caladas polarizam-se em Ti e dilatam translucidamente, até os corações de tuas bem amadas ovelhinhas. Cremos sintetizar os nossos sentimentos nestas humildes palavras.
Pedimos-Te ó Rei Divino, aqui como em toda parte, agora, como sempre, e hoje, mais do que nunca, que nos abençoais!
Contemplando a grandeza de Teu Reino, nós também nos reconhecemos crianças que ainda não te entenderam perfeitamente. Apieda-Te de nós! Somo pequeninos ainda perante Tua majestade! Abençoa-nos e guia-nos, Senhor!
Nós reafirmamos humildemente, ante o Teu coração, o nosso bom desejo de trabalhar em favor dos pequeninos que amaste e amas sempre! Mas, mesmo assim, recordando um pedido de Teus apóstolos, nós Te rogamos: Acrestenta-no Amor!
E suplicando para todo o Teu rebanho humano, as Tuas bênçãos de piedade e de luz, dizemos-Te Senhor, que fazemos nosso, o credo virginal de Auta de Souza, Tua santa poetiza do Evangelho:

Tudo que é puro, santo e resplendente,
Neste mundo cruel de desenganos,
Toda a ventura dos primeiros anos
Num'alma que desbrocha sorridente
[“desbrocha”: em função da métrica]

Tudo que ainda vemos de potente
Na vastidão sem fim, dos oceanos,
E da Terra, nos prantos soberanos
Trazido pela aurora refulgente;

Tudo o que desce do Infinito ousado:
O sol, a brisa, o orvalho prateado,
A luz do bem, do amor, das esperanças;

Tudo afinal, que vem do Céu dourado
A despertar o coração magoado,
-Deus encerrou nos olhos das crianças!

Inserida no livro SAL DA TERRA, de Clóvis Tavares, no momento esgotado, mas que será reeditado em breve.

sábado, outubro 10, 2009

Clóvis Tavares fala sobre o respeito à celebração do Dia de Finados



“Lembro-me de uma passagem de uma mensagem íntima- e por isso não foi publicada- do nosso querido Néio Lúcius. Numa ocasião em que eu tive a felicidade de descobrir uma livraria pobre do Rio, o chamado sebo, uma pequena biografia de Santa Mariña. Dei a Chico Xavier a pequena biografia e aos familiares de Célia Lucius reencarnados na época neste mundo.




Nesta pequena biografia se dizia o dia consagrado a Célia pela população católica Italiana, especialmente de Veneza, onde estão seus restos mortais. Suas relíquias foram trazidas pelo mesmo Helvídio Lúcius, numa reencarnação posterior, na idade média, em que ele, como cruzado foi a Alexandria. Lá encontrou grande veneração à uma certa Santa Mariña. Encantou-se ele também com as tradições sobre ela e resolveu trazer para sua terra os ossos que em séculos anteriores, foram de sua própria filha.




A descoberta no sebo do Rio foi interessante e agradou a todos, inclusive a mim, que fui instrumento desta benção. Entretanto, Néio Lucius, avô de Célia, disse que a data era bem certa. E era justo que nós comemorássemos o dia 18 de junho, Dia de Célia. Nós espíritas, que recebemos a benção do livro 50 Anos Depois, por que no plano espiritual, nas esferas de luz, eles também comemoram o dia de Célia.




E não apenas o Dia de Célia, mas celebram também com festividades mais intimas mais familiares, até mesmo cada nova edição na terra, do livro 50 Anos Depois.




Desse modo, o dedicar-se dias especiais a determinados eventos que falam ao coração em nada é estranho e nem significa ritual algum. É só e somente só, uma festa do coração. E mais ainda para surpresa nossa estas festividades, esses dias consagrados, para usar a expressão de Néio Lucius, dias consagrados à memória dos nossos queridos que estão no mais além, se ligam, muitas vezes, a fatos históricos.




Fatos que nós jamais imaginaríamos que possam estar intimamente conectados. Por exemplo, Néio Lúcio diz na mensagem, que de tanto ler e tamanha a curiosidade que me causou, eu gravei as palavras. Diz ele que o dia 18 de junho, em que todos nós na terra e todos do além, lembramos a neta querida, a sua neta querida, a nossa querida Célia, este dia está de alguma forma relacionado à derrota de Napoleão Bonaparte na planície de Waterloo, em 1805.
Há um elemento de ligação entre a história de Célia e este fato histórico. Ele não quis contar qual era a conexão e nós, naturalmente, não perguntamos. Entretanto, a queda de Napoleão Bonaparte, a queda do império Napoleônico, o fim daquelas guerras terríveis da expansão napoleônica, estão ligadas a história de Célia Lúcius.




Estes fatos que nós aceitamos e recebemos dos nossos antepassados, são louváveis.




No Além, há não só o exemplo de Jesus, respeitando as datas sagradas das festas judaicas o Rosh Hashaná, o Yom Kipur, a dos pães ásimos, a dos Tabernáculos, as festas das luzes. E, sobretudo a Páscoa.




Essa Páscoa, tão respeitada, que São Paulo diz que Jesus se tornou a nossa Páscoa.




Páscoa quer dizer passagem, que era a festa que recordava para os judeus a passagem pelo Mar Vermelho no tempo de Moisés.




Jesus respeitou estas datas.




Eu particularmente, não sei se todos concordam com isso, sei que algumas pessoas não concordam, mas eu respeito porque não faz mal nenhum fazer uma festa de amor, de bondade, de carinho e de saudade, dentro do coração, para aqueles que já partiram.




Hoje, portanto, para nós, como Kardec fazia segundo o costume francês, no dia de todos os Santos.”




Clóvis Tavares, 01-11-1981

sábado, outubro 03, 2009

Singela homenagem a Allan Kardec


"O período científico parece, hoje, se enfraquecer, e, depois dos progressos imensos que viuse cumprirem, não seria impossível que o novo período, que deve suceder-lhe, fosse consagrado, pelo Criador, às iniciações de ordem psicológica. Na imutável lei de perfectibilidade que colocou para os humanos, que pode fazer depois de havê-los iniciado nas leis físicas do movimento, e lhes haver revelado os motores com os quais muda a face do globo? O homem tem sondado as profundezas mais recuadas do espaço; a marcha dos astros e o movimento geral do Universo nada têm mais de segredo para ele; lê nas camadas geológicas a história da formação do globo; a luz, à sua vontade, se transforma em imagens duradouras; domina o raio; com o vapor e a eletricidade suprime as distâncias, e o pensamento vence o espaço com a rapidez do relâmpago. Chegado a esse ponto culminante,do qual a história da Humanidade não oferece nenhum exemplo, qualquer que tenha podido ser o grau do seu avanço nos séculos recuados, parece-me racional pensar que a ordem psicológica lhe abre uma nova pista no caminho do progresso. É, pelo menos, o que se poderia deduzir dos fatos que se produzem em nossos dias e se repetem por toda parte. Esperemos, pois, que o momento se aproxime, se ainda não chegou, no qual o Todo- Poderoso vai nos iniciar em novas, grandes e sublimes verdades. Cabe a nós compreendê-lo e secundá-lo na obra da regeneração."Allan Kardec. Revista Espírita. Jornal de Estudos Psicológicos, Abril, 1858, volume 4.

Este texto da Revue Spirite, de abril de 1858, retrata a evolução do pensamento positivista na europa do século XIX, quando, pensavam eles, teriam atingido o apogeu da civilização tecnológica. Assim pode conseiderar Allan Kardec, pois até então nunca se vira tamanho poder do homem sobre os elementos da natureza.
Considera assim, Kardec, que são chegados os tempos da Psicologia iniciar o seu trabalho de consolidação da personalidade humana. O subtítulo da Revista Espírita foi desde o primeiro número em janeiro de 1858: “Jornal de Estudos Psicológicos”. Nesta época, Freud tinha apenas dois anos de idade e Allan Kardec já admitia que o conteúdo inconsciente poderia ser causa de nossas aflições. Senão vejamos o capítulo 5 de “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, no sub-tema: “Causas atuais das aflições”:


Este texto é parte de um capítulo de O RETRATO ESPIRITUAL DE KARDEC, de Clóvis Tavares/Flávio Mussa Tavares a ser lançado em breve pela VINHA DE LUZ.


É a nossa pálida homenagem ao anbiversário de 205 anos do Codificador.

sábado, setembro 26, 2009

DVD Vida de Pestalozzi



A Versátil Vídeo Spirite

estará lançando em outubro, DVD inédito com o filme


"Para Sempre Pestalozzi"


sobre a vida do grande educador.


No extra do DVD, excelente palestra de Charles Kempf proferida no Castelo de Yverdon, Suiça, sobre um dos alunos de Pestalozzi, Rivail, nosso Mestre Allan Kardec.


O DVD estará à venda nas principais lojas e livrarias do país a partir do dia 01 de outubro.

segunda-feira, setembro 21, 2009

FOTO ACIDENTAL DE UM ESPÍRITO (perispírito)


Um grande mistério ainda por ser revelado


Juiz tira foto de si mesmo em consultório médico e se surpreende ao ver, atrás dele, imagem que seria de um espírito


Rio - Tal como Serena, personagem de Priscila Fantin, tem visões da falecida Luna, na reprise de ‘Alma Gêmea’, um clique fez o juiz de Direito José Olindo Gil Barbosa, 48 anos, passar a conviver com um fantasma. Dois anos atrás, ele usou o celular para se autofotografar na sala de espera de consultório médico. Na foto, aparece a figura de uma mulher. Ao mostrar a imagem na clínica, os funcionários identificaram-na como a mãe de uma médica e que morrera três anos antes. Intrigado, ele investigou o caso e pretende lançar livro ano que vem sobre a experiência. O episódio aconteceu em Teresina, no Piauí. José Olindo conta que tirara várias fotos e que uma mostrava alguém atrás dele. “Não havia ninguém atrás de mim. Botei a foto no computador e aí percebi com mais nitidez a pessoa”, conta ele, que levou a imagem à clínica. Funcionários se surpreenderam e explicaram que a mulher seria Magnólia de Sá Cardoso, que morrera de câncer em 2004. Ele lembra que a filha de Magnólia se emocionou com a aparição: “Fiquei à disposição para esclarecimentos, mas ela nunca entrou em contato”.O perito piauiense Delfino Vital da Cunha Araújo avaliou a imagem e considerou não ter ocorrido montagem. Mas como explicar a presença na foto de uma pessoa que já teria morrido? Sem justificativa científica para o fenômeno, José Olindo passou a pesquisar o tema: o registro de imagens de espíritos em fotografias.“Não sei se posso me considerar kardecista, mas acredito piamente, principalmente depois desse fenômeno, na sobrevivência da consciência do ser humano”, afirma ele, juiz da comarca de Altos, cidadezinha próxima da capital do Piauí.O DIA foi atrás da história de Magnólia. Seria mesmo ela na foto? A história ganhou corpo entre os kardecistas do Piauí e do Brasil. No Rio, seguidores da crença afirmam que Magnólia ou outro espírito qualquer possivelmente pretenderia transmitir mensagem.

Na Federação Espírita Piauiense, Magnólia é muito conhecida. Por isso, ninguém se surpreendeu com a aparição. Ela foi uma das fundadoras do Centro Espírita Paulo de Tarso, no Centro de Teresina, e se destacou por grande trabalho social.A atual presidente da instituição, Cristina Borges, explica que muitos identificaram a mulher como Magnólia e que ela já se manifesta no próprio centro. “Dona Magnólia era a médium que recebia o mentor espiritual da casa, irmão João Cândido. Ela continua trabalhando na equipe espiritual dele. Só que já do outro lado”, observa Cristina. Fenômeno pouco comum


A kardecista Yeda Hungria, 72 anos, do Instituto Espírita Bezerra de Menezes, em Niterói, observa que casos de espíritos que aparecem em fotografias são muito estudados nos Estados Unidos. “Este tipo de fenômeno não é muito comum, mas pode acontecer. Geralmente, as pessoas que conseguem este tipo de fotografia possuem um dote mediúnico que permite a manifestação do espírito”, acredita.


Para Paulo Ruy, 68 anos, do Lar Frei Luiz, na Taquara, em casos como esses o desencarnado quer oferecer um ensinamento. “O espírito pode estar querendo mostrar que existe vida após a morte ou que está bem, por exemplo”, explica.Cardiologista admite semelhança, mas diz que mulher não é sua mãe.


A cardiologista Luiza Magna de Sá Cardoso acreditava, até há pouco tempo, que a pessoa na foto do juiz pudesse ser a sua mãe. “Parecia com ela quando jovem”, assinalou. Ao rever a foto, agora com melhor qualidade, ela acha que não é a sua mãe. “Nem mesmo quando jovem. Havia visto esta foto há muito tempo e não tinha qualidade. Mesmo assim, não cheguei a dar muita importância ao fato”, conta.Caso famoso de aparição ocorreu com a cantora Joanna. Quando se apresentava em Belém, observou homem de turbante que a olhava fixamente. Chegou a comentar após o show, mas ninguém havia visto o rapaz. Ao descrevê-lo, pessoas na cidade lhe disseram que poderia ser um eletricista. Os pais dele levaram uma foto e Joanna o reconheceu. O rapaz havia morrido eletrocutado alguns dias antes do show e era seu fã.

domingo, setembro 13, 2009

sexta-feira, setembro 11, 2009

MEDIUNIDADE E ESQUIZOFRENIA











Na noite de 10 de setembro de 2009, tive a oportunidade de falar sobre este assunto no Culto Pedro, sociedade espírita localizada na Av. Alberto Lamego em Campos.
A palestra transcorreu bem, com um público atento e em número expressivo.
Em resumo, eu falei em linhas gerais os sintomas da esquizofrenia em sua fase aguda, com os delírios de perseguição, de grandeza e as alucinações auditivas.
Depos detive-me na explicação do modelo da mediunidade em nossa constituição física. O momento anímico, a obsessão e a mediunidade controlada e coerente.
Expus a questão de que Esquizofrenia não é mediunidade e que Mediunidade não é Esquizofrenia.

Algumns diapositivos apresentados estão nesta postagem.

sábado, agosto 29, 2009

DIA DE BEZERRA DE MENEZES NO RIO DE JANEIRO


LEI Nº 5.045 DE 22 DE JUNHO 2009

Cria o Dia Municipal do Kardecista Adolfo Bezerra de Menezes, no Município do Rio de Janeiro.

Autor: Vereador Fausto Alves

O PREFEITO DA CIDADE DO RI DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º Fica instituído o Dia Municipal do Kadecista Adolfo Bezerra de Menezes no Município do Rio de Janeiro, que será celebrado, anualmente, no dia 29 de agosto.

Parágrafo único. O Dia Municipal do Kardecista Adolfo Bezerra de Menezes passa a integrar o Calendário Oficial de Datas e Eventos do Município do Rio de Janeiro.

Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

EDUARDO PAES


Publicado no Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro:
Diário Oficial, Ano XXIII – nº 64 – Terça-feira, 23 de junho de 2009.
.
*** *** ***
*** *** ***
*** *** ***
.
.
A Escola Jesus Cristo aproveita o ensejo para convidar a todos para assistir a palestra de homenagem ao espírito Bezerra de Menezes em sua sede, na manhã de 30 de agosto de 2009 às 10 horas, com a presença do Coral Virgílio de Paula.

sábado, agosto 08, 2009

O QUE VOCÊ PODE FAZER PELA ESCOLA JESUS CRISTO?




O QUE VOCÊ PODE FAZER PELA ESCOLA JESUS CRISTO?

O que você pode fazer pela Escola Jesus Cristo?
Muitos dos freqüentadores desta casa, aqui chegaram, trazidos pelo sofrimento. Ainda que existam outras motivações individuais para que nós freqüentemos esta “Escola sem férias”, uma coisa é comum a todos. Aqui sentimo-nos bem! É uma casa que nos transmite Paz e conforto espiritual.
Ao assumir a presidência Em 2003, senti-me no dever de convocar a todos que aqui freqüentam para revisar as consciências e os corações.

Que temos feito por esta casa?



Que ainda há por fazer?



O que o Espiritismo, iluminado pelo Evangelho de Jesus, conseguiu amortecer em nossos corações?

Mas não paremos muito tempo para pensar! Temos pouco tempo! Há frio lá fora e já é adiantada a hora! Hora de tomar uma decisão rápida! O que podemos fazer pela Escola Jesus Cristo?

Que Projetos são desenvolvidos nesta casa?

Vamos falar da Educação Infantil.Temos várias salas onde semanalmente se ministra às crianças, aulas de Evangelho, sempre orientadas para a aplicabilidade diária. É necessário manter limpas as salas, melhorá-las, cuidar de sua manutenção. Tudo isso com profissionais pagos. Infelizmente não podemos contar hoje com o serviço voluntário, que já foi a mola mestra dessa Escola em tempos idos.



A Escola mantém uma Sopa dominical, um serviço de Assistência às favelas, e responde por um pequeno quadro de funcionários assalariados que percebe rigorosamente em dia. Pagamos contas de água, energia elétrica e telefone. Pagamos as contas de nossas Escolas filiais.
Por acaso, alguém se recorda de tudo isso quando se senta em nossos bancos para escutar aulas ou palestras?



Alguém se recorda que os impressos recebidos também são custeados por nossa parca contabilidade?



Todos estamos nos recordando que esta é uma Instituição da Terra? Fala-se muito da vida espiritual nessa Escola, mas ela está localizada no mundo físico!
Nós somos uma sociedade civil, com todas as responsabilidades decorrentes desse fato! Cumprimos tudo!



A Escola Jesus Cristo não cobra nada!



A Escola Jesus Cristo não pede nada!



A Escola Jesus Cristo apenas dá!



Como a mais terna figura maternal que puder vir à nossa memória!



A Escola Jesus Cristo é Mãe!



A Escola Jesus Cristo está muito acima do que pode a nossa mais alta consciência alcançar!
Um dia saberemos o quanto ela foi útil a nossa vida espiritual!



Caro irmão! Peço que leia os itens abaixo e veja no que pode colaborar!



Flávio Mussa Tavares
Presidente



SEJA UM ASSOCIADO DA ESCOLA JESUS CRISTO

Irmão! Se somos uma Sociedade, seja sócio dela!
É necessário ter 18 anos e ser apresentado por um sócio!
Vá a Tesouraria e preencha uma Ficha de Adesão.
Peça a algum amigo que te apresente à Tesouraria!
Colabore!
Participe das Assembléias!
Procure saber onde pode colaborar!
Nunca diga que “não pode porque não está bem de saúde”, pois se é justamente através do nosso espírito de colaboração que somos abençoados com a cura espiritual.

AULAS DE NOVO TESTAMENTO ÀS QUARTAS FEIRAS
Aulas de Evangelho às quartas
Você sabia que todas as quartas-feiras, às 16 horas, há uma aula de Novo Testamento, na Sala Clóvis Tavares?

VOCÊ É PROFESSOR?
Não quer se oferecer para ajudar em nossas classes de Evangelização Infantil?
Não se acha capaz de dar aulas?
Ainda está esperando aprender mais?
Essa argumentação é fraca! Comecemos hoje! Como nos pede Emmanuel!
Ah! Tem a creche também! Que tal se oferecer para um plantão em um domingo?

É SOPA!!!!!!
Você já ouviu falar de nossa Sopa? Que tal visita-la?
E se um dia quiser dar uma canja...digo, sopa....é só se inscrever para cortar legumes todo domingo às 6 da matina ou ajudar a servi-la às 11h. Ou mesmo chegar às 11:30, só para lavar os pratos...É sopa!!!

VOCÊ SABE COTURAR?
A nossa Obra do Berço tem o Serviço de Costura Nina Arueira, que funciona todas
as terças feiras, a partir das 13 horas.
Quem não sabe costurar, pode aprender ou ajudar em qualquer outra necessidade do
grupo, como atender às gestantes ou conversar com elas.

CORAL VIRGÍLIO DE PAULA
Gosta de cantar? Todos os sábados às 15 horas reune-se sob a direção da Regente
Professora Alcídia Perez Pia, o Coral Virgílio de Paula. Para participar é
necessário pasar pelo teste com a Regente. Não são todos que são aproveitados,
pois é necessário ter o tipo de voz apropriada para o coro. Quem preferir pode
procurar a Profa. Alcídia no domingo.
Aliás, quem gosta de chegar cedo aos domingos para a oração coletiva, se chegar
antes das 8 horas, terá a oportundiade de cantar suave e alegremente varios
hinos da Escola Jesus Cristo, antes da oração coletiva às 8:20 h.

SERVIÇO DE LIMPEZA AOS SÁBADOS
Quem se habilita a fazer uma "aeróbica" diferente aos sábados?

Quem já escutou falar de um exercício mais moderno e eficar que o Pillates e que
o RPG?

É a nossa faxina dos sábados! É bom para a coluna do corpo e melhor ainda para a
coluna do perispírito!

Você sabia que todos os sábados, às 15 horas, funciona no Teatro CasimiroCunha, o Clube da Fraternidade? Um sábado tem aula com Heloisa e Coral comJuliana. Outro sábado funciona a Oficina Alcione, de artes manuais.Quer conhecer ou ajudar?


Quem frequenta a Escola Jesus Cristo, mas não está matriculado em nenhuma Sala
de Aula, pode procurar as seguintes:

1- Sala Medeiros: Para Iniciantes.

2- Sala Nina Arueira: Também para iniciantes ou com algum conhecimento prévio da
Doutrina Espírita.

3- Sala Clóvis Tavares: Para quem já tem conhecimento aprofundado da Doutrina
Espírita.

4- Sala Carlinhos: Para a Mocidade, jovens a partir de 15 anos.

5- Sala Maria Zenith: Para a Pré-Mocidade, jovens entre 13 e 15 anos.

6- Salas infantis: São quatro classes infantis separadas pelos diversos grupos
etários.

7 - Creche Salvadora Assis: para bebês e crianças até 3 anos.


EQUIPES DE SERVIÇO

Você sabia que todos os quartos domingos às 17 horas acontece uma reunião das Equipes de Serviço da nossa Escola?
Você sabia que para ingressar numa delas é só comparecer a reunião e ver qual está necessitando de colaboradores?
Não quer ter o prazer de se sentir um colaborador?


GRUPO EMMANUEL

É o grupo mediúnico da Escola Jesus Cristo, fundado em 1940. Funciona no mesmopavilhão onde se oferece sopa aos domingos. Ali há uma primeira parte dareunião, aberta ao público com uma exposição doutrinária de 20 minutos e umpasse magnético.Depois , reune-se o grupo mediúnico para o trabalho espírita propriamente dito,com auxílio às entidades sofredoras.Quem sentir necessidade de ajuda no compo mediúnico, favor procurar o DiretorDoutrinário Rubens Fernandes, de terça a quinta às 15 horas na Escola JesusCristo.

GRUPO AMIGOS DE CÉLIA LÚCIUS
Funciona de segunda à quinta feira, às 16 horas, com breve palestra e passemagnético. É um serviço destinado aos que estão com maior necessidade de ajudafísica, emocional e espiritual.
ENQUETE REALIZADA EM DEZEMBRO DE 2003
Eis o resultado da Enquete com os freqüentadores da Escola Jesus Cristo! Leia, chegue a sua própria conclusão e tome uma decisão importante!

1- 80% dos pesquisados freqüenta a EJC há mais de 5 anos
2- 35% começou a freqüentar acompanhando, mas hoje vem por própria vontade
3- 55% por decisão pessoal.
4- 85% conhece as atividades da EJC
5- 45% vem às aulas aos domingos
6- 80% assiste às palestras dominicais
7- 5% assiste ao Irmãos de Célia
8- 15% participa do Clube da Fraternidade
9- 35% não freqüentas as aulas, mas gostaria de freqüentar.
10- 15% prefere não participar das aulas
11- 40% é apenas ouvinte das palestras
12- 20% é ouvinte de aulas e palestras
13- 30% estuda os livros das nossas classes e traz caderno de anotações
14- 65% toma passes magnéticos
15- 80% não é contribuinte da Escola Jesus Cristo!!!!!!!!!!!!!
16- 70% dos que não são sócios, aceitam um convite.
17- 10% prefere melhorar primeiro
18- 10% ainda não se decidiu
19- 45% dos que não participam de nenhum trabalho, aceitam o desafio.
20- 35% prefere esperar

SERÁ QUE ESSE PANORAMA MUDOU PARA MELHOR NESTES 6 ANOS? OU TERIA SE AGRAVADO A DUREZA DE NOSSOS CORAÇÕES?

sábado, agosto 01, 2009

Humberto Vasconcelos na Escola Jesus Cristo


Na próxima sexta feira, dia 07 de agosto, estará em Campos, na Escola JesusCristo proferindo uma palestra sobre Jesus.
Humberto é professor de Literatura e uma grande cultura espírita. Abordará para nós algo de seu sólido conhecimento doutrinário, de sua ampla possibilidade oratória sobre a personaldade de Jesus Cristo e as várias interpretações a seu respeito.
Será de enorme importância o comparecimento a esta noite auspiciosa!

terça-feira, julho 21, 2009

AS REENCARNAÇÕES DE SANTOS DUMONT


JORNAL EXTRA
COLUNA: EM NOME DE DEUS
DE: GERSON SIMÕES MONTEIRO
DATA: 19/07/2009


AS REENCARNAÇÕES DE SANTOS DUMONT

O médium Chico Xavier revelou que Santos Dumont, o Pai da Aviação, reencarnou na cidade de Campos, em março de 1956, como filho de Clovis Tavares e de Hilda Mussa Tavares, com o nome de Carlos Vitor. Aos nove meses de idade Carlinhos caiu de um carrinho de bebê, e com o tombo deslocou a vértebra cervical, ficando tetraplégico, vindo a desencarnar aos 17 anos de idade, em fevereiro de 1973. Como se sabe, Santos Dumont, ao ficar deprimido quando presenciou mineiros e paulistas a digladiarem-se pelo céu, usando o avião como arma de guerra para matar e destruir enforcou-se no dia 23 de julho de 1931.
Antes de reencarnar, o espírito Santos Dumont, segundo informações de Chico Xavier, decidiu expiar a sua morte como suicida, através de uma vida curta como paraplégico. A queda acidental sofrida por Carlos Vitor, aos nove meses de idade, deslocou a sua vértebra cervical. A um programa de TV, o médium mineiro declarou que a vértebra de Carlos já estava deslocada no perispírito, isto é, no corpo semimaterial que envolve o espírito, por ter sido lesada quando se enforcou em sua vida passada. Este fato consta do livro Jesus e Nós.
O médico Homeopata Flávio Mussa Tavares informou que seu pai, o Professor Clóvis Tavares, manteve em sigilo as revelações feitas por Chico Xavier sobre as reencarnações anteriores de Santos Dumont. Chico revelou a seu pai que Santos Dumont vivera duas reencarnações em inesgotável pesquisa sobre a aviação: a do padre brasileiro Bartolomeu Lourenço de Gusmão (1685-1724) e a do balonista francês Joseph Montgolfier (1740-1810).
Bem antes disso, ele também se dedicara à navegação marítima nas personalidades dos navegadores italianos: Marco Polo (1254-1324) e Cristóvão Colombo (1451-1506), sempre com a ânsia de descobrir novos caminhos. Todavia, em suas biografias encontramos semelhanças de suas trajetórias evolutivas, sempre na busca de encurtar distâncias entre os povos. Era, portanto, o mesmo espírito tomando diferentes personalidades a cada reencarnação (Marco Polo, Colombo, Bartolomeu de Gusmão, Montgolfier, Santos Dumont).



Gerson Simões Monteiro
Vice-Presidente da FUNTARSO
e-mail: gerson@radioriodejaneiro.am.br

segunda-feira, julho 20, 2009

Dia de Santos Dumont





Alberto Santos Dumont (Palmira, 20 de julho de 1873 — Guarujá, 23 de julho de 1932) foi o pioneiro da aviação. Ele foi o primeiro decolar a bordo de um avião, impulsionado por um motor aeronáutico. Santos Dumont foi o primeiro a cumprir um circuito pré-estabelecido sob testemunho oficial de especialistas, jornalistas e da população parisiense. Em 23 de outubro de 1906, voou cerca de 60 metros e a uma altura de 2 a 3 metros com seu 14 Bis, no Campo de Bagatelle em Paris. Menos de um mês depois, repetiu o feito e, diante de uma multidão de testemunhas, percorreu 220 metros a uma altura de 6 metros. O vôo do 14-Bis foi o primeiro verificado pelo Aeroclube da França de um aparelho mais pesado que o ar na Europa, e possivelmente a primeira demonstração pública de um veículo levantando vôo por seus próprios meios, sem ser catapultado, isto é impulsionado por uma alavanca externa.

TRECHO DA MENSAGEM DE SANTOS DUMONT,
PSICOGRAFADA POR FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER

“...Descobrir caminhos sempre foi a obsessão do meu pensamento. Reconheço hoje, porém, que outra deve ser a vocação da altura...
...Terei errado, buscado rotas diferentes? Certo, não.
O mundo e os homens aprenderão sempre. A evolução é fatal.
Todavia, recolhido presentemente à humildade de mim mesmo, procuro caminhos mais altos e estradas desconhecidas, no aprendizado do roteiro para o Cristo, Senhor do nossas vidas.
Não há vôo mais divino que o da alma.
Não existe mundo mais nobre a conquistar, além do que se localiza na própria consciência, quando deliberamos converter-nos ao bem supremo.
Sejamos descobridores de nós mesmos.
Alcemos corações e pensamentos ao Cristo.
Aprimoremo-nos para refletir a vontade soberana e divina do Alto por onde passarmos.
Crescimento sem Deus é curso preparatório da queda espetacular.
Humilharmo-nos para servir em nome Dêle é o caminho da verdadeira glória.
De qualquer modo agradeço-vos.
O trabalhador que prepara as possibilidades para ser útil jamais se esquecerá de endereçar reconhecimento às flores que lhe desabrocham na senda.
Crêde! Não passo de servidor pequenino.
Que o Senhor nos enriqueça com Sua divina bênção.
Alberto Santos Dumont
(Página psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier na noite de 20 de julho de 1948, em Pedro Leopoldo, dirigida a Clóvis Tavares e inserido no TRINTA ANOS COM CHICO XAVIER)






POESIA DE LILL PSICOGRAFADAS POR CHICO XAVIER


DE UM FILHINHO ESPIRITUAL

Papai, quando chega a noite,
Diz Mamãe banhada em luz:
-Vamos Lill, orar por ‘ele’
E, preces ao bom Jesus!
Diz Mamãe: Daí-lhe, Jesus,
Do vosso divino pão!
E eu digo:-Do pão de luz
Da vossa consolação!
Mamãe roga:-Daí-lhe Mestre,
espírito de servir.
E eu peço:-Com forças novas
Para as glórias do porvir.
Mamãe pede:-Mestre Amado,
Ajudai-o a caminhar.
E eu digo:- Inspirai-lhe a vida
Nas bênçãos de nosso lar.
E assim, nós ambos pedimos
na fé que nunca se esvai
A bênção do Bom Jesus
Às suas provas de pai.
Que Deus lhe conceda sempre
coragem para a missão
É o que deseja, Papai,
O filho do coração.
Lill. ( Psicografado por Chico Xavier em março de 1944)




POEMA DE CARLINHOS PSICOGRAFADO POR CHICO XAVIER


Prenda Maior

Papai querido, eis-nos juntos,
A morte é simples mudança,
A vida nova me alcança
Em lindo recomeçar...
No entanto em tudo o que vejo,
Minha ventura consiste
Em saber que o céu existe
Na bênção de nosso Lar.
Com meus cadernos felizes
De pequeno marinheiro
Estudando o mundo inteiro,
Nada achei de mais valor
Que a nossa união bendita
Nos caminhos que transponho,
Em nosso ninho risonho
Entretecido de amor.
Douradas pompas da Terra,
Louros suspensos da história,
Brilhos de estampa ilusória,
Renome vazio e vão.
Monumentos e honrarias
Não valem frágil parcela
Da riqueza viva e bela
Que temos no coração
De cada excursão que faço,
Regresso ao nosso recanto
E sinto que me levanto
Para colher nova luz...
Com Mãezinha em nossos passos,
Nós dois e os irmãos queridos
Estamos fortalecidos
Para a união com Jesus.
Papai querido sigamos...
Ontem púrpuras faustosas,
Espadas, festas e rosas
Que o tempo exibe em museus...
Hoje, é a trilha diferente
De culto ao Bem e à Verdade
Na conquista da Humildade,
A prenda maior com Deus.

(Carlinhos, Uberaba, 26 de julho de 1975)

quinta-feira, julho 16, 2009

ORAÇÕES DE CLÓVIS TAVARES NA ESCOLA JESUS CRISTO



Caros irmãos, no dia 17 de julho, sexta deira, ás 20 horas, p nosso irmao Oceano Vieira de Melo, da Versátil Vídeo Spirite, apresentará na ESCOLA JESUS CRISTO uma prévia do DVD que será lançado em 2010, sobre Clóvis Tavares. Aqui está anexado o banner da palestra. Convidamos você e seus familiares para escutar Clóvis Tavares em lindas orações e mensagens de Emmanuel, remasterizadas com altíssima fidelidade e tecnologia pelo nosso amigo Oceano.
Pede-se que repassem este convite ás suas listas de amigos. Abraços a todos,

terça-feira, julho 14, 2009

Coral da Fratenidade




O Coral da Fraternidade foi uma idéia de minha filha Juliana, das sua colegas Margereth, Viviane e Suzana, que juntamente com Heloiza estão à frente do trabalho no Culto da Assistência Auta de Souza , na Esocla Jesus Cristo.




É um coro simples, mas que canta com o coração.




É foramdo por nossas "fraternas" do Culto da Assistência e vai fazer uma apresentação no nosso Chocolate fraterno no próximo dia na Escola Jesus Cristo.




É com apresentações assim que nós demonstramos para nós mesmos que a reencarnação é uma lei maior, que nos iguala a todos e diante da qual estamos absolutamente despojados de qualquer vaidade ou preconceito.




No meu entender a caridade verdadeira é a que exercitamos dentro de nós mesmos vencendo os gigantes de nossa alma, como o egoísmo e o orgulho.




Deus abençoe o Coral da Fratenidade!

domingo, julho 12, 2009

AFINAL, O que é o ESPIRITISMO? Princípios e Fns


MEDEIROS DE VOLTA

Conheci na minha infância, Medeiros, o amigo de meu Pai, Clóvis Tavares, a quem ele dedicava um amor fraternal. Era na verdade, o Juiz de Direito José de Medeiros Corrêa Júnior.
Ele nos visitava em nossa casa de Campos e ficava com Papai, horas em interminável conversação edificante. Eu costumava assistir suas palestras na Escola Jesus Cristo, onde era o convidado habitual dos aniversários de nossa casa.
Meu Pai nos contava que ele e Medeiros na juventude, foram morar na Escola Jesus Cristo para cuidar de meninos órfãos. Dois jovens entregaram-se ao trabalho cristão com as máximas forças de suas almas e ali viveram um idealismo contagiante. Medeiros e Clóvis, uma amizade fortalecida pelo Amor a Jesus, nas pessoas dos menores da orfandade.
Medeiros nasceu em Tombos de Carangola-MG. Quinto filho do casal José de Medeiros Correa e de Rosalina de Medeiros Correa, sendo o único varão. Reintegrou-se neste mundo físico a 5 de março de 1917. A família mudou-se para Cachoeiro de Itapemirim-ES, onde viviam outros parentes. Medeiros, após a desencarnação de seu Pai, passou a residir em companhia de sua Mãe. Pouco tempo depois, esta também desencarna e é justamente nesse momento, que Medeiros vem morar com Clóvis na Escola Jesus Cristo. Mais precisamente, eles residiam com os guris no Lar dos Meninos, orfanato para crianças do sexo masculino, que pertencia à Escola Jesus Cristo. Eram verdadeiros pais daquelas crianças, pois exerciam uma autoridade branda e consistente, com o fundamento no Evangelho de Jesus.
Para o seu sustendo, Medeiros, apesar de bacharel em Direito, lecionava Língua Portuguesa e Latim, no Liceu de Humanidades de Campos. Em suas férias escolares, visitava a família em Cachoeiro de Itapemirim, onde freqüentava e colaborava no Centro Espírita Jerônimo Ribeiro. Foi nesta instituição que conheceu a nossa estimada Déa, com quem casou-se. Após seu casamento, mudou-se para Cachoeiro, no ano de 1955. Tiveram quatro filhos: Maria Assunção, Estêvão, Silvia e Marta.
Foi aprovado com louvor para o Concurso da Magistratura e residiu em diversas cidades do Estado. Entretanto, não esqueceu-se jamais da Escola Jesus Cristo. Convidado sempre para ser o palestrante do dia 27 de outubro, sempre recordou para o público, que ali residiu com Clóvis e os meninos e viveu um belo ideal de vocação espiritual e onde ganhou incontáveis amigos pelo coração. No final de sua carreira, foi transferido para Vitória e optou por morar em Vila Velha. Nesta cidade, recebeu a visita de um grupo de dirigentes da União Espírita Cristã, que afirmaram haver recebido orientação espiritual de convidá-lo para participar dos trabalhos espirituais da casa.
Em 1984, mais precisamente, no dia 13 de abril, recebe a dolorosa notícia da desencarnação de seu amigo Clóvis Tavares. O corpo de meu Pai estava sendo velado na Escola Jesus Cristo. Medeiros adentrou o Templo, olhou os circunstantes e caminhou pesadamente na direção da urna. Fitou durante alguns instantes o corpo hirto de Clóvis e mergulhou em pensamentos insondáveis e orações de saudade. Alguns instantes depois, o nosso querido Medeiros inicia uma despedida pública de Clóvis Tavares. Não saberia eu reproduzir aqui, as suas tocantes palavras, imantadas de emoção enorme. Todavia, não poderia esquecer-me jamais da forma como terminou ele o seu pronunciamento naquela manhã de 14 de abril de 1984: - Até à vista, meu caro Clóvis! Até à vista! Disse estas palavras em tom emocionado, com voz embargada pela emoção, fazendo uma citação do final do discurso com que Camilo Flamarion despede-se de seu mestre e amigo Allan Kardec. A citação foi profética, pois foi realmente em um breve espaço de tempo, isto é, cerca de um ano, que despede-se também Medeiros deste mundo, cumprindo solenemente o seu premonitório “até a vista!”.
Um acidente automobilístico, no ano de 1985, reconduz, aos 68 anos, o querido Medeiros a Pátria espiritual. Seus exemplos foram de humildade, honradez, e bondade para todos os que tiveram o privilégio de com ele conviver.
Certa vez, nosso irmão Rubens Fernandes presenciou, em visita ao amigo na cidade de Vitória, um fato impressionante. Medeiros havia convidado o Rubens para conhecer o Fórum da capital capixaba. Ali chegando, o Juiz entrou pela entrada comum, evitando a passagem privativa e privilegiada que seu cargo lhe conferia. Atendeu algumas pessoas pessoalmente, até mesmo no corredor. Em determinado momento, ao avistar uma detenta, que era gestante, manda imediatamente que lhe transferissem da cadeia para um Hospital, onde faria serviços na cozinha até a época do nascimento de seu filho. E em sua sentença afirmou que “cadeia não era lugar para mulheres grávidas, hospitais sim!” Rubens soube mais tarde, que esta mulher, após o parto, terminou sua pena e foi trabalhar no mesmo Hospital, com toda a dignidade. Dignidade esta, resgatada por um Juiz que tinha Jesus em seu coração.
Medeiros escreveu dois livros: este e "Em Verdade Vos Digo", que se Deus permitir, também será publicado. Que o nosso querido amigo Medeiros, em companhia dos que, como ele, multiplicaram os talentos recebidos do Divino Dispensador de bênçãos, receba nosso preito de eterna gratidão.

Flávio Mussa Tavares
27 de outubro de 2008
73 anos da Escola Jesus Cristo

sábado, julho 11, 2009

Desencarnou Conceição de Paula




Maria da Conceição de Paula e Silva nasceu em 31 de janeiro de 1922 bi estado do Rio de Janeiro,passando a infância entre a chácara da Rua Barão do Rio Branco e o sítio do Imbé, ambas do saudos Virgílio de Paula que a criou como uma filha. Ela casou-se com Pery de Paula Perseu, filho de Virgílio de Paula . Foi uma trabalhadora da Escola Jesus Cristo, principalmente da Casa da Criança e de todas as atividades artísticas. Era poeta, compositora, atriz, interpretava poesias como ninguém, inclusive faz muitaas vezes isso na Escola Jesus Cristo. Ultimamente o precário estado de saúde a afastou do convívio na Escola Jesus Cristo. Entretanto o senu pensamento gravitava em torno do Evangelho de Jesus, da Escola Jesus Cristo e nunca se esquecia de Virgílio de Paula , de Nina Arueira e de Clóvis Tavares. Desencarnou na tarde de 09 de julho de 2009 e foi sepultada no Cemitério do Caju, na manhã do dia 10 de julho. Fica a nossa saudade, a nossa gatidão e a esperança de que a nossa querida Conceição seja recebida na Escola Jesus Cristo da espiritualidade por todos a quem amou

quarta-feira, julho 01, 2009

VERÔNICA, A PIEDOSA


Considerando como possíveis as informações do evangelho apócrifo de Nicodemos, acredita-se que a mulher hemorroíssa é a mesma legendária Verônica, que suavizou a dor de Jesus com o seu gesto heróico de enfrentar fortes soldados para demonstrar a sua gratidão a Jesus. Esta é a segunda parte do poema para Verônica.




Flávio Mussa Tavares

Verônica, livre do seu drama
Fita, de Jesus a face.
E o observa afastar-se
Envolvido pela massa humana.
Queria chorar, fazer sua catarse,
Mas algo continha sua gana.

Como refazer sua vida,
Se já não podia voltar aos seus?
Movida, então, por uma energia
Que dentro de si ainda corria,
Decidiu por fim viver para Deus.

Encontrou o Senhor que buscava
Nas pessoas dos hansenianos.
Pensava as suas lesões
Sempre aplicando um pano
Na face daqueles seres humanos.
Era assim que se consolava
E animava os seus corações.

Passaram-se dois anos de lutas
E ela sentiu uma forte vontade
De deixar aquelas grutas
Dos seus amigos lázaros.
Saiu então daquela cidade
E foi para muito mais além.
Como a mulher que enche os cântaros
Com fé, foi para Jerusalém.

Ao chegar a capital
Uma triste revelação
Calou fundo em seu coração.
Jesus fora condenado
Sem haver cometido
Sequer um pecado.
E a sentença final
Publicou-se no edito,
Era a crucificação.

Vê, então, ao longe a multidão
Seguindo um homem e sua cruz.
Sente, de novo, a mesma sensação
Do dia em que viu a intensa luz
Que emanara do peito de Jesus
Libertando-a de sua danação.

Ela estava perplexa
Diante do quadro que via.
Os ingratos e sua zombaria.
Como entender esta situação complexa?

Viu consternada, a Santa Face
Mutilada e ensangüentada
Daquele que um dia a salvara
Para que não se humilhasse.
Era aquele mesmo que a curara.

Sentindo-se impotente
Imensamente indignada
Quis gritar àquela gente
Quis lutar por seu Senhor.
Percebeu enfim, do nada,
A sensação do tremor.
O olhar de Jesus o seu fitava
E encheu-se de temor.

Vendo verter gotas rubras
Onde os acúleos penetravam
Pensou: Há algo que cubra
Ou suavize as dores que o cravam?

Mais uma vez Verônica
Encontrou espaço entre o povo
Que ensandecido gritava.
E aproximando-se lacônica,
Agora com outra intenção,
Sob a visão irônica
Tocou aquele que amava.

Se o Seu manto lhe curara
Há muito tempo havia
Ao simples toque de fé,
Sua grave hemorragia.
Então ajudaria
Aquele a quem buscara:
O Jesus de Nazaré.

Daquela face o sangue
Vertia impunemente.
Tomou então o seu manto
E fez o que tinha em mente:
Cobriu o rosto santo
Que continuava exangue.

Foi assim que naquele calvário
A que outrora Ele curara
Compôs o santo sudário.

E ela julgou escutar
Um sussurro transcendente:
-Seja sempre relembrada
A sua ação comovente.

Nesse instante um homem bruto
Afasta-a daquele avatar
Que lhe dirige o olhar
Como o brilho de uma estrela
Que ao seu espírito em luto
Era impossível descrevê-la.

Eis a história desta mulher que duas vezes buscou
Um homem entre a multidão.
Da primeira , o Seu manto a curou
Do sangue que ela vertia.
Na seguinte o manto dela
Suavizou a Sua Paixão
E marcou como numa tela
Uma hematografia.

Esta mulher piedosa
É símbolo de coragem.
Pois enfrentou impetuosa
A fúria do homem.

E para testemunhar
A sua gratidão
Tocou para suavizar,
Com a sua adoração,
O semblante de Jesus,
Que embora pálido e triste,
Irradiou a mais intensa luz
Que existe!










domingo, junho 28, 2009

Célia Lúcius, um curso de Perdão- Aula de Hilda na Sala Clovis Tavares

A aula de minha Mãe Hilda na sala que leva o nome de meu Pai, na Escola Jesus Cristo, na manhã de hoje, foi sobre o Perdão na obra "50 Anos Depois" protagonizado pela nossa sempre lembrada Célia Lucius.
Foram várias refelxões entremeadas com anotações de Papai em seu volume de estudo do "50 Anos Depois". Como disse Mamãe, aquele volume é uma preciosidade.
Em breve vou disponibilizar o power point que ela utilizou para que todos os que não puderam assistir a essa aula magistral.
E a lição do Perdão é uma lição quase esquecida na nossa rotina cotidiana. As vezes somos tragados pela ofensa e não temos tempo de permitir em nós mesmos a oportunidade de exercitar o perdão.
A ira, a dureza de corações, as decepções pessoais, a convivência com os hipócritas, a impiedade no seio dos religiosos que são os fariseus de todos os tempos, podem perturbar a paz de nosso espírito. Isso pode fazer com que não tenhamos tempo de empregar racionalmente a estratégia do perdão pensado, do perdão raciocinado, do perdão exercitado.
Mas nós podemos pedir o Perdão de Deus.
E assim como Célia orou por todos os infelizes que partilharam a existência com ela, que nós ainda romeiros destas estradas empoeiradas da existência, oremos rogando a Deus a possibilidade de treinarmos todos o perdão.

sábado, junho 27, 2009

As Liçòes de Célia (Palestra de Pedro na Escola Jesus Cristo)

Ontem foi a estréia de meu filho Pedro na tribuna da Escola Jesus Cristo, falando sobre as inolvidáveis e incomparáveis liçòes de Célia Lúcius ao longo da narrativa do 50 ANOS DEPOIS.
Ele iniciou falando que o livro de Emmanuel, assim como o Apocalipse , é um dos dois livros cujos autores prometem bênçãos àqueles que os lerem.
E inicia contando sobre a Célia menina na palestina, suas conversas com Ciro, seu retorno a Roma, sua conversa com seu avô , inclusive comentando que se o avô tentou dissuadí-la das idéias cristãs, trazendo-a para a religião pagã romana, ela é quem o cristianiza e o educa na doutrina de Jesus.
Ele pontuou todas as falas de Célia ao longo do testo, comentando sua sabedoria e sua bondade em todos os momentos de sua vida, culminando com a cena do grande perdão que ela promoveu para todos os personagens desta história. Com a sua dádiva e com o mútuo perdão que ela levou o coração de todos a sentir, Pedro terminou a sua palestra comovente , agradando a todos. E eu como pai, assim como senti na palestra de Juliana, sinto-me honrado de poder ofertar ao meu Pai e a Jesus estes novos colaboradores de nossa Escola Jesus Cristo,

quinta-feira, junho 18, 2009

Hoje é Dia de Célia!


Hoje é Dia de Célia!

Há uma singela homenagem a nossa querida mensageira espiritual no blog: http://celiamarina.blogspot.com/ .


Aqui, queremos fazer a chamada para a palestra de hoje às 20 horas na Escola Jesus Cristo, com a nossa irmã: Wanda Joviano!


Que Célia possa hoje à noite estender as suas bênçãos a todos nós, especialmente sobre a sua irmã, a nossa estimada Wanda, que nos brindará mais uma vez com a sua importante visita, selando a amizade da Escola Jesus Cristo com o espírito de Célia Lúcius!

sábado, junho 13, 2009

Os cirineus de Célia (palestra de minha filha Juliana)

Tive a grata satisfação de assistir a primeira experiência de minha filha Juliana como palestrante da Escola Jesus Cristo na sexta feira, dia 12 de junho, falando sobre o tema: Os Cirineus de Célia Lúcius.
Juliana leu como texto preparatório a Alegoria do Juizo final, que mostra que Jesus se importa com o que fazemos aos pequeninos e desamparados do mundo, para o nosso julgamento.
Inicia a palestra enfocando que cirineu é uma referência a Simão cirineu que foi instado a ajudar Jesus a levar a sua cruz.
A partir daí relaciona todos os que ajudaram Célia no seu trajeto de 210 kilômetros, desde as ruas de Roma até Alexandria. Uma atenção especial ela deu ao carreteiro Gregório que a ajudou duas vezes e ao casal Orfília e Horácio, embora hja feito referência ao anti-cirineu que foi o seu filho Júnio.
Detendo-se mais tempo a discorrer sobre Lésio Munácio, o primeiro Irmão Marinho, ela detalhou o por quê de Célia haver se vestido de homem para ser monge no mosteiro de Alexandria.
Por fim recordou pequenos anjos que podemos hospedar, recordando a frase de Paulo aos Hebbreus. Recordou a caso de Elzinha França, trazida à Escola pelos jovens da Mocidade e que era um espírito de muita grandeza espiritual. Recordou a figura antológica de Valéria, narrada pelo próprio Chico em entrevista a Hebe Camargo e o caso recente do menino Leonardo, que todos sentíamos que é um espírito amigo da Escola Jesus Cristo que veio em prova difícil, mas que viveu um belo exemplo de libertação espiritual.
A primeira experiência de Juliana foi muito proveitosa para todos, principalmente por causa das sugestões que ela deu no final , questionando se temos aproveitado completamente e bondosamente as oportunidades de sermos cirineus dos pequeninos que a proviência coloca em nosso caminho.
Que a meiga Juliana contine sempre como apresentadora do Evangelho na Escola Jesus Cristo.

quinta-feira, junho 11, 2009

Retrato de Maria como Chico Xavier a viu


Algum tempo após tomarmos conhecimento de um novo quadro de Maria, a Mãe de Jesus, divulgado num programa da TV Record, de São Paulo, com a presença de Francisco Cândido Xavier, procuramos esse médium amigo para colher dele maiores esclarecimentos sobre a origem do mesmo.
Contou-nos, então, Chico Xavier, no final da reunião pública do Grupo Espírita da Prece, em Uberaba, na noite de 1º de dezembro de 1984, que, com vistas às homenagens do Dia das Mães de 1984, o Espírito de Emmanuel ditou, por ele, um retrato falado de Maria de Nazaré ao fotógrafo Vicente Avela, de São Paulo. Esse trabalho artístico foi sendo realizado aos poucos, desde meados de 1983, com retoques sucessivos realizados pela grande habilidade de Vicente, em mais de vinte contatos com o médium mineiro, na Capital paulista.
Em nossa rápida entrevista, Chico frisou que a fisionomia de Maria, assim retratada, revela tal qual Ela é conhecida quando de Suas visitas às esferas espirituais mais próximas e perturbadas da crosta terrestre; como, por exemplo, disse-nos ele, na Legião dos Servos de Maria, grande instituição de amparo aos suicidas descrita detalhadamente no livro Memórias de um Suicida, recebido mediunicamente por Yvonne A. Pereira.
E, ao final do diálogo fraterno, atendendo nosso pedido, Chico forneceu-nos o endereço do fotógrafo-artista, para que pudéssemos entrevistá-lo oportunamente, podendo assim registrar mais algum detalhe do belo trabalho realizado.
De fato, meses após essa entrevista, tivemos o prazer de conhecer o sr. Vicente Avela, em seu próprio ateliê, há 30 anos localizado na Rua Conselheiro Crispiniano, 343, 2º andar, na Capital paulista, onde nos recebeu atenciosamente.
Confirmando as informações do médium de Uberaba ele apenas destacou que, de fato, não houve pintura e sim um trabalho basicamente fotográfico, fruto de retoques sucessivos num retrato falado inicial, tudo sob a orientação mediúnica de Chico Xavier.
Quando o sr. Vicente concluiu a tarefa, com a arte final em pequena foto branco-e-preto, ele a ampliou bastante e coloriu-a com tinha a óleo (trabalho em que é perito, com experiência adquirida na época em que não havia filmes coloridos e as fotos em preto-e-branco eram coloridas a mão), dando origem à tela que foi divulgada.
Nesse encontro fraterno, também conhecemos o lindo quadro original à vista em parede de seu escritório, e ao despedirmo-nos, reconhecidos pela atenção, o parabenizamos por esse árduo e excelente trabalho, representando mais uma notícia da vida espiritual de Maria de Nazaré, que continua amparando com imenso amor maternal a Humanidade inteira.
Hércio M. C. Arantes - Fonte: Anuário Espírita 1986

quarta-feira, junho 03, 2009

Desencarna Celme dos Santos Gomes


Desencarnou hoje, às primeiras horas do dia a nossa querida irmã Celme dos Santos Gomes,
esposa do querido José Gomes.
Ambos foram criados na Escola Jesus Cristo, respectivamente na "Casa da Criança", um orfanato de meninas e no "Lar dos Meninos" o mesmo para meninos.
O corpo de Celme foi velado na Sala Clóvis Tavares e o enterro deu-se no Cemitério do Caju, no Jazigo da Escola Jesus Cristo.
O irmão Rubinho fez uma despedida de nossa Celme e eu também quis falar para a família, uma vez que sinto-me irmão tanto de Celme, quanto de José.
Lembrei que a união dos dois é fruto de um sonho de Nina, que ao desencarnar na casa do Vovô Virgílio, pediu a meu Pai, para fundar um orfanato para menores desamparados.
Clóvis cumpriu a promessa a fundou dois orfanatos, que foram casas para aquelas crianças.
Duas delas, foram Celme e José.
Hoje na despedida de Celme, a segunda e a terceira geração dos "meninos" da Escola Jesus Cristo estavam presentes.
Na foto, dois momentos de Clóvis e Celme em Belo Horizonte, na época em que Clóvis levou a nossa querida Celme para tratamento na capital mineira aos cuidados do querido Rubens Romanelli.
Deus acompanhe e guarde a nossa já saudosa Celme!

segunda-feira, maio 25, 2009

Verônica, a Hemorroíssa

Na sexta feira, 22 de maio último, tive a felicidade de discorrer na Escola Jesus Cristo sobre a mulher hemorroísssa, do Novo Testamento. Como me trouxe muita alegria falar sobre essa mulher corajosa e virtuosa, chamada de fiha por Jesus, que tomado por uma inspiração repentina, fiz modesta poesia em honra a chamada Verônica.


Flávio Mussa Tavares


Para uns se chamava Berenice,
Verônica para outros.
De alegria cativante, esta mulher,
Secou a lágrima de um enfermo e disse:
-Coragem amigo, pois nosso Deus é esperança.
Agia assim desde criança.

Casou-se com jovem construtor.
Tiveram um filho, fruto de amor.
Entretanto, um tumor
Causou-lhe prolongada hemorragia.
Além de terebrante dor,
Era uma doença que lhe constrangia.

De acordo com a legislação
Tornara-se toda impura.
Nada mais ousasse tocar.
Estava sob tremenda maldição.
E esse seu mal não tinha cura.

De longe viu o filho a crescer
Sem poder amamentá-lo.
Ansiava ao colo tomá-lo,
Sonhava o esposo ter.
Todavia, a tradição
Expressa na Torah,
Enquistou-a em seu lar,
Oprimindo-lhe o coração.

Impedida de o filho criar
E de ser uma esposa de fato,
Assistiu seu esposo a deixar.
Não mais viu o recém nato.

Percorre uma via crucis
De esculápio a esculápio.
Muitas promessas à infeliz
De louco, charlatão e larápio.

Alijada do convívio social.
Nunca era vista nas ruas.
Absorvida em seu próprio mal,
Nem família e casa eram suas.

Decretada impura pela religião,
Dos velhos profetas de Israel.
O Levítico relegava-a a solidão,
Pois dizia que seu toque era fatal
Inoculando tudo alcançasse,
Com os miasmas de seu mal.

Ventos lhe trouxeram, entretanto,
Notícias de um taumaturgo
Que corria as estradas empoeiradas
Da Judéia, Galiléia e Samaria.
Curou Bartimeu, restaurou Maria.
Levando, assim, a paz a cada burgo.

Bem afamado este profeta se tornou.
Ensinava o homem a ser como criança.
Levantava os caídos falando-lhes do amor.
Esse santo, então, concentrou sua esperança.

Avistou-o, enfim, um dia.
Seria verdadeira a imagem que via?
Um homem irradiando tanta luz!
Seria a solução de seu destino
Aquele fogo no seu mediastino?
Disseram a ela que seu nome era Jesus.

Mas como apresentar-se a ele?
Como falar-lhe do seu mal?
Iria transgredir a lei e o tribunal.
Tocaria o manto dele,
E sararia afinal.

Aproximou-se pela retaguarda
Movida por coragem e tanto.
Por uma abertura nada larga
Tocou a orla de seu manto.

Foi então que sentiu atravessar seu dorso
Uma força que desconhecia.
Algo que um de nós, hoje, diria:
-Foi uma corrente elétrica,
Que lhe alcançou todo o corpo,
Deixando-lhe extática.

Após esse indescritível frenesi
Percebeu um misto de harmonia
Com o tremor que ainda sentia
Dentro de si.

Secara-lhe a fonte da hemorragia
E antes que pudesse afastar-se dali,
Jesus pára e desconfia
Que alguém o tocara ali.
Diz Pedro, o primeiro do time:
-Como saber? Se a multidão o comprime?
Mas sabe Jesus a que alude,
Pois viu e sentiu de si sair
Uma virtude!

Temendo e ainda tremendo, a ex-hemorroíssa,
Arriscou um julgamento com sua confissão.
Disse, prostrando-se no chão:
Fui eu Senhor, cometi uma injustiça?

Falou Jesus, todo bondade:
-Verônica, minha filha
Esteja curada de tua enfermidade
Sei que sabes quem eu sou
Mas creia que a verdadeira maravilha
Foi tua fé que te salvou!








sábado, maio 09, 2009

NÃO EXISTE MAIOR AMOR DO QUE ESTE, Clóvis Tavares


Clóvis Tavares



Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos. Jo 15:13

Um jovem chinês, Té-Ha-Tá caminhava por uma estrada ao cair da tarde. Olhava ao longe as montanhas nevadas do Tibete, onde os velhos monges elevavam suas orações ao Senhor da Compaixão.
A uma volta do caminho, sobre uma eminência de pedra, surge repentinamente, para espanto e terror do jovem, um vulto que ele não tardou a reconhecer: era o pavoroso Han-Ru, o Anjo da Morte.
Té-Ha-Tá pressentiu no seu coração a desgraça para sua vida. O terrível anjo da destruição estava próximo a casa de sua noiva, a meiga Li-Tsen-Li...
O jovem perguntou atemorizado:
_Que fazes, Han-Ru, aqui perto da casa de minha noiva?
Pacientemente, o emissário do destino respondeu:
_É justa a tua inquietação, ó jovem. Vim a este recanto da Terra, buscar justamente Li-Tsen-Li. Na sabedoria das Leis divinas, está determinado que tua noiva cumpriu o tempo de sua vida neste mundo. É chegado o dia final de seu destino.
_Piedade, piedade, Han-Ru! É tão linda tão meiga minha noiva. Amo-a loucamente e tudo faria para salvá-la. Por Amor de Maia-Dêvi, deixa viver Li-Tsen-Li!
O Anjo da Morte silenciou, em profunda meditação e depois respondeu solenemente:
_A ti, devoto de Maia-Dêvi, é permitido obter uma graça do Céu. Podes prolongar a vida de tua noiva sob uma condição. Tens direito a uma vida longa e tranqüila, Te-Há-Tá. Restam-te ainda, agora vais saber, quarenta e seis anos de vida. Podes, entretanto, e esta é a condição ceder à tua noiva metade do teu tempo que te resta na carne. Li-Tsen-Li poderá viver em tua companhia, vinte e três anos, a metade do restante de tua vida. Terminado este prazo, ambos morrerão juntos, no mesmo instante. Aceitas a proposta?
Te-Há-Tá hesitou. Hesitou. Ceder a metade de sua vida? Sacrificar vinte e três anos em favor de sua amada? Que fazer? Que responder ao Anjo da Morte?
_Tua proposta, Han-Ru, é imensamente grave para mim. Podes esperar minha resposta até que eu ouça a opinião de meus três melhores amigos, que sempre me orientam na vida?
_Sim, ó jovem. Aguardarei, aqui mesmo tua resposta até antes do amanhecer.
Nessa mesma hora (já anoitecera...) Te-Há-Tá partiu lépido, em busca dos três conselheiros de sua vida.
O primeiro era um artista tibetano. Um escultor famoso. Seu conselho foi franco e sincero: a vida só é digna de ser vivida quando alimentada por uma grande e puro amor. E não existe amor verdadeiro sem renúncias e sacrifícios.
_Serás feliz Te-Há-Tá_ disse o artista_ se puderes demonstrar a grandeza de teu coração, medindo-a pela extensão de um ingente sacrifício. Pela mulher amada o homem deve sacrificar, meu amigo, não metade de sua vida, mas a existência inteira.
Esse foi o conselho do primeiro amigo.
Te-Há-Tá buscou o segundo conselheiro, um jovem mercados de peles, Nian-Si. Cientificado dos acontecimentos, respondeu o segundo amigo:
_É uma proposta louca, Te-Há-Tá! Onde já se viu um moço rico e cheio de saúde, como és, sacrificar a metade da vida por causa de uma mulher? Sem desprezar os valores e perfeições de tua noiva, digo-te que encontrarás por toda a parte, aqui no Tibete, atrás destas montanhas, milhões e milhões de mulheres lindas, tão lindas e tão belas como tua noiva... E quem pode prever o futuro, meu amigo? E se amanhã, dominada por uma paixão, Li-Tsen-Li te abandonar, esquecida do teu sacrifício e for viver, junto de outro coração, a vida que é uma parte de tua própria vida? Loucura, loucura, meu pobre Te-Há-Tá...
Em face das opiniões antagônicas dos seus dois amigos, cresceram a dúvida e a indecisão ainda mais no coração de Te-Há-Tá. E nesse estado mental, dirigiu-se à casa do seu velho e sábio conselheiro, o estudioso Kin-San.
O terceiro mentor assim opinou ao desorientado rapaz:
_Meu caro Te-Há-Tá, se amas realmente tua jovem noiva, deves ceder-lhe metade do teu tempo que te esta viver. Convém impor, entretanto, uma condição ao Anjo da Morte. A parcela de vida que cederes à tua noiva, poderá ser retomada por ti, a qualquer momento, em caso de infidelidade de tua futura esposa. Se ela se mostrar indigna do teu sacrifício, perderá o direito ao tempo de vida que lhe foi cedido. Fora disso, Te-Há-Tá, seria loucura. Fizeste bem em hesitar, sendo prudente. Só os insensatos é que nunca hesitam.

***

O jovem noivo aceitou a terceira solução, que imediatamente antes do amanhecer, levou ao Anjo da Morte.
O mensageiro divino aceitou a proposta de Te-Há-Ta e lhe respondeu:
-Está bem, Te-Há-Ta! Tua bondosa noiva Li-Tsen-Li viverá mais vinte e três anos. Esta parcela de vida não foi, porém dada e sim emprestada.
E o Anjo da Morte desapareceu.
O jovem Te-Há-Ta casou-se com Li-Tsen-Li e dentro de algum tempo eram considerados os esposos mais felizes de toda a região do Tibete. Li-Tsen-Li, após o matrimônio, passou a chamar-se Til-Long-Li, que quer dizer Minha Vida Querida.
Um dia, Te-Ha-Tá teve que fazer uma longa viagem e deixou sua amada esposa e um filhinho de poucas semanas em casa de seus pais. Quando regressou, alguns meses depois, teve a dolorosa surpresa de encontrar seus três amigos, de fisionomia triste e abatida, a sua espera, à entrada da povoação em que vivia. Seu coração sobressaltou, não vendo a esposa à sua espera.
-Onde está Minha Vida Querida?Por que não veio se lhe mandei aviso de meu regresso?
-Enche de coragem teu coração, ó Te-Há-Tá: uma grande desgraça, há três dias, caiu sobre tua vida...
-Desgraça? Que foi? Digam-me, digam-me a verdade. Onde está minha esposa?
-Morreu, meu amigo_ respondeu o mais velho.
-Morreu? Não é possível. Não é possível... Eu sacrifiquei Por ela metade de minha vida...
E o jovem, em pranto convulsivo, começou a blasfemar contra o Senhor da Compaixão. Erguia os braços para o Céu, punhos cerrados, em furor, revoltado, blasfemando o Santo nome de Deus...
Os amigos se afastaram, deixando-o dar expansão à sua angústia e sem poderem demove-lo de sua revolta.
Eis senão quando, no auge de nova explosão de sofrimento, surge diante do moço enlouquecido de dor, a figura de Han-Ru, o Anjo da Morte.
-Han-Ru, faltaste à tua palavra... Onde está minha esposa? Que fizeste de Li-Long-Li?
-Acalma-te e escuta, Te-Ha-Tá. Devo dizer-te a verdade, a fim de que não continues a blasfemar contra o Senhor da Compaixão. Tua esposa, bem sabes, deveria viver mais vinte e três anos. Há poucos dias, porém, o teu filhinho adoeceu gravemente e iria morrer. Que fez tua esposa? Pediu a Deus em comovedora oração, que a vida dela fosse dada ao pequenino enfermo. Que a criança pudesse viver, embora com o sacrifício de sua vida. E assim aconteceu, Te-Ha-Tá. Salvou-se o teu filho, mas a tua esposa, morreu...
E diante do assombro do jovem aflito, o Anjo da Morte, concluiu:
-Enquanto tu, como noivo, hesitaste em ceder-lhe a metade de tua vida, ela, mãe extremosa, não hesitou um segundo sequer, em dar, pelo filhinho, a vida inteira...

***

Esta jovem mãe tibetana é um símbolo, uma imagem de nossas mães amadas, a quem hoje rendemos homenagem. Elas são realmente, como conceituava Almeida Garret, “a mais bela obra de Deus”. Seu amor nos acompanha todos os dias da vida e além da morte. Sua imagem torna-se escudo de nossas almas, alimento de nosso coração, síntese das afeições humanas. Seus sacrifícios ocultos são muitas vezes o preço de nossa formação moral. Suas lágrimas afiançam diante de Deus, sem o sabermos, a proteção do Céu sobre as nossas vidas.


( Do livro SAL DA TERRA, Scortecci, 2005)