terça-feira, setembro 06, 2005

O Dia de Lill

Eu nasci no dia 5 de setembro de 1958. E tão logo comecei a entender as coisas, meus pais me disseram que havia nascido numa data muito importante...era o dia de Lill.
Lill era tão vivo em nossa casa que até mesmo data de aniversário ele tinha.
Essa oitava...
Declaração
Querida Mãezinha Hilda,
O tempo tudo consome...
E esquecer o próprio nome
É aquilo que sempre quis;
Com o nosso Papai querido,
Sou ainda o rapazola,
Seu filho entre o Lar e a Escola,
Aprendendo a ser feliz.
Carlinhos
(Uberaba, 04 de setembro de 1982)

... foi denominada declaração, pois é realmente uma sutil confissão de sua suave dependência do amor filial. Uma vez assistindo um programa de TV sobre o Japão, disseram que lá as crianças só vão para a escola com 8 ou 9 anos e que até essa idade ficam junto à sua mãe num período que é descrito por uma expressão em japonês sem tradução para o português, que pode ser explicada como período de suave dependência.
Considerei que Carlinhos sente saudade desta fase em que depende do amor materno. Chico em muitas de suas entrevistas afirmou que nunca esquece o carinho de sua mãe, a nossa querida Maria João de Deus.
Destaco alguns tópicos fundamentais.
O aspecto devorador do tempo, que como Saturno come os seus filhos, ou conforme diz nos seus versos Carlinhos: tudo consome. Todavia, no seu texto, depreende-se que só se deteriora aquilo que é depreciável, ou como disse Jesus: "Não ajunteis tesouros que podem ser corroídos pelas traças e pelo tempo"
O aspecto do aniquilamento do ego consiste no processo terapêutico apregoado pelo budismo como aquele fundamental para a nossa libertação do ciclo das reencarnações, chamado samsara. Este aspecto é nessa poesia representado pela sua necessidade de esquecer seu próprio nome. Vale recordar aqui que fazer uma terapia de aniquilamento do ego nada tem de auto-destrutividade. Aniquilar os desejos do ego é apenas resistir às pressões instintivas biológicas. Evoluir é justamente aprender a tomar decisões autônomas e não seguir às ordens dos hormônios.
Considero assim que este bilhete-poema de Carlinhos é uma Declaração de Liberdade! Liberdade de autodeterminação. Liberdade de não viver pelo que o tempo corrói! Liberdade para se ter paz na consciência e liberdade par ser realmente feliz! Feliz na convivência com os seus, no aprendizado da vida, no sentir-se igual a todos e sem direitos à regalia alguma.
Se todos observarem bem Declaração é um hino à liberdade do verdadeiro eu.
Esse poema foi psicografado na noite de 4 de setembro, a poucas horas do dia de Lill. Creio que nada acontece por acaso e Carlinhos escolheu justamente o dia do menino que nunca nasceu para que ele se declarasse liberto para a metanóia.

CAPÍTULO DO LIVRO A MORTE É SIMPLES MUDANÇA
Que contém as mensagens de Carlos Vítor, meu irmão, psicografadas por Chico Xavier.
O livro já foi lançado, publicado pela MADRAS Espírita e está a venda.

Um comentário:

margarida disse...

"O menino que nunca nasceu"... e que está vivo no nosso coração...