sábado, agosto 09, 2008

NECESSIDADE E CULPA


"Empregada morre ao cair de 17.º andar de prédio em São Paulo

Elvis Pereira - estadao.com.br

SÃO PAULO - A
empregada doméstica Sônia Aparecida Andrade de Holanda, de 53 anos, morreu no
início da tarde desta sexta-feira, 8, ao despencar do 17.º andar de um prédio
residencial na Rua Francisco Leitão, em Pinheiros, na zona oeste de São Paulo.
Segundo o boletim de ocorrência, apoiada no ar-condicionado da sacada, ela
tentava limpar uma das paredes externas do apartamento. Ao se desequilibrar
acabou caindo.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública
(SSP), o porteiro do edifício contou à polícia que ouviu um forte estrondo e
quando foi verificar o que ocorreu se deparou com Sônia caída na área de lazer.
A empregada morreu no local. O prédio deverá ser periciado. O caso foi
registrado no 14.º Distrito Policial, de Pinheiros."

Amigos, culpa e necessidade podem ser aparentemente paradoxais. A doméstica Sônia foi, lamentavelmente, vítima da absurda irresponsabilidade de se permitir que domésticas corram riscos de vida para realizar faxinas.

É certo que a sua desencarnação obedece a estritos programas da Lei de Causa e Efeito ou simplesmente Carma.

Isso entretanto, não exonera de responsabilidade nem os patrões e nem a sociedade civil organizada por permitir ou por não proibir textualmente que empregados domésticos executem tarefas sem as necessárias condições mínimas de segurança no trabalho.

A necessidade da Sra. Sônia, que apesar dos seus 53 anos, realizada um serviço de alto risco, foi cumprida. Ela está quites com a Justiça Divina.

A culpa ficou com a família que consentiu ( ou solicitou) que ela fizesse o serviço de alto risco.

Ficou também com o condomínio que certamente conhecia o fato de que domésticas realizavam serviços de alto risco no prédio sem as condições mínimas de segurança.

E ficou também a culpa para a sociedade que não coíbe ou proíbe que estes profissionais sem treinamente algum, sem condições físicas e equipamento apropriado realizem tarefas de alta periculosidade.

Que Sônia Aparecida Andrade de Holanda receba as nossas vibrações sinceras de paz, rogando que os amigos espirituais a envolvam de carinho e proteção, pois a sua desencarnação se deu no cumprimento do dever humano com resgate de seus compromissos espirituais.

E que a sociedade evolua e não permita que estes escândalos sejam visíveis. Pois disse Jesus:

"E disse aos discípulos: É impossível que não venham escândalos, mas ai daquele por quem vierem!" (Lucas 17 : 1)

Sônia precisava dessa forma triste de seu desenlace físico, mas os responsáveis culposos pela tragédia não necessitavam ter cometido esse crime.

5 comentários:

Juliana Tavares disse...

Um dia as pessoas terão vergonha de terem servos domésticos, assim como hoje nos envergonhamos dos tempos da escravidão.

Flávio Mussa Tavares disse...

Juliana ]
Olá Flávio, vi um comentário seu a respeito da morte da minha mãe, Sônia Ap. Andrade de Holanda. Suas palavras me tocaram profundamente hoje, quando faz uma semana da morte dela. Gostaria de poder manter contato pois apesar de ser espírita, as circunstancias em que se deram seu desenlace ainda me dóem muito. Abraço Juliana

Flávio Mussa Tavares disse...

Juliana é o nome da minha filha que posto u o primeiro comentário e é também o nome da filha da Sônia, da qual fazemos comentário.

Juliana de Holanda, preciso do seu email para entrar em contato com você.
Deus te abençoe.

juliana disse...

Olá Flavio, quanto tempo! Fiquei feliz em saber que quer meu e-mail pra poder se cmunicar comigo, ficarei muito grata se puder me ajudar. Mas como faço? Devo mandar meu e-mail aqui, nesta página? Mas não fica exposto? Se possível por favor me aconselhe como devo fazer.
Desde já, muito obrigada.
Grande abraço,
Juliana

Flávio Mussa Tavares disse...

Juliana, escreve para flaviotav@gmail.com
Abraço