sábado, agosto 20, 2005

Palestra de Clóvis Tavares sobre Célia Lúcius

Com fundamento nas palestras de meu Pai, Clóvis Tavares, editaremos em breve pequeno e despretensioso livro analisando historica e geograficamente a vida de Santa Marina da Bitínia, que é Célia Lúcius, comprovadamente.
Eis trechos da palestra de Clóvis , que também se converterá breve em novo livro chamado , e vou dizer isso em primeiríssima mão: ROCHA DOS SÉCULOS!

" Numa ocasião, eu tive a felicidade de descobrir, numa livraria pobre do Rio - o chamado "sebo" - uma pequena biografia de Santa Marinha. Dei a Chico Xavier a pequena biografia e aos familiares de Célia Lucius reencarnados na época neste mundo. Nesta pequena biografia se dizia o dia consagrado a Célia pela população católica italiana, especialmente de Veneza, onde estão seus restos mortais trazidos pelo mesmo Helvidio Lúcius, numa reencarnação posterior, na Idade Média, em que ele, como cruzado, foi à Alexandria e encontrando a veneração a Santa Marinha, resolveu trazer para sua terra os ossos que, em séculos anteriores, foram de sua própria filha. A descoberta no sebo do Rio foi interessante e agradou a todos, inclusive a mim, que fui instrumento desta benção. Lembro-me de uma passagem de uma mensagem última, e por isso não publicada, do nosso querido Néio Lúcio, avô de Célia. Nessa mensagem ele diz que a data está certa, e era justo que nós comemorássemos o dia 18 de junho - nós espíritas, que recebemos a benção do livro "Cinqüenta anos depois" - porque no plano espiritual eles também comemoravam o dia de Célia - e não só o dia de Célia - mas comemoravam também com festas mais intimas, familiares. "
(...)
"Então, o dedicar-se dias especiais a determinados eventos falam ao coração, e em nada é estranho e nem significa ritual algum. É apenas uma festa do coração e mais ainda, para espanto nosso, estas festas e esses dias consagrados - para usar a expressão de Néio Lucio - dias consagrados à memória dos nossos queridos que estão no mais além, se ligam muitas vezes a fatos que nós nem imaginamos possam estar intimamente ligados. Por exemplo, diz ele na mensagem que de tanto ler e tanto espanto me trouxe que eu gravei: "O dia 18 de junho, em que todos vós, na Terra, e todos nós aqui, do além, lembramos a neta querida, a minha neta querida, a nossa querida Célia, está ligado à derrota de Napoleão Bonaparte na planície de Waterloo, em 1815". A queda de Napoleão Bonaparte, a queda do império napoleônico, o fim daquelas guerras terríveis, da expansão napoleônica, está ligada à história de Célia. São louváveis esses costumes que nós recebemos dos nossos antepassados. "
Clóvis Tavares

Confesso que eu não consegui, ainda, estabelecer a relação entre o dia de Célia/Santa Marina com a derrota de Napoleão em Waterloo.
Estas palestras também se converterão em um livro em breve
Abraço forte

4 comentários:

RamsesII disse...

Olá. Meu nome é Frederico Dionísio e fiquei deveras intrigado com esta informação.
Estou a escrever um artigo sobre Lésio Munácio, o Irmão Marinho de "50 Anos Depois", que segundo a psicografia de Chico Xavier, pelo Espírito de Inês de Castro no livro "Mensagens de Inês de Castro", é uma das reencarnações de Batuíra. Como frequentador do Grupo Espírita Batuíra de Portugal, e estudioso da Doutrina Espírita, fiquei deveras interessado na informação desta postagem.
Se não fosse incomodo, gostaria de saber se o Sr. tem mais alguma informação relativa a esta matéria.
Grato pela disponibilidade.

Frederico Dionísio

Flávio Mussa Tavares disse...

À Frederico Dionísio.
Como voce não me forneceu nenhum endereço eletrônico para contato, deixo para voce este recado aqui na minha página, caso voce a visite novamente.

Peço que escreva diretamente a mim no endereço: flaviotav@gmail.com

Abraço forte,

Ana disse...

Olá, Flávio,

Acabei de ler o livro "50 anos depois" e fiquei curiosa para saber qual santa da tradição católica corresponderia a Célia, personagem do livro de Emmanuel. Coincidentemente, meu irmão havia acabado de ler o livro "O Peregrino Russo", no qual é mencionada a história de uma santa que vestiu-se de homem para entrar em um mosteiro na Alexandria com seu pai. Somente após a sua morte, descoubri-se que se tratava, na verdade, de uma mulher. Era santa Marina. Tentando encontrar sua biografia na internet para obter mais informações e saber se se trata de fato de Célia, cheguei no seu Blog. Gostei muito, muito obrigada pelas informações. Que bom que seu pai teve a oportunidade de confirmar essa informação com o próprio Chico Xavier. Se você tiver mais informações sobre Santa Marina, gostaria muito de recebê-las. Obrigada e parabéns pelo blog.

Um abraço,

Ser ou Ter eis a questão disse...

Carissimo,
estou finalisando minha leitura do livro Cinquenta anos depois, e confesso minha gratidão ao mestre Chico Xavier e ao amado Emmanuel pela historia e por nos apresentar tais personagens como Celia...fico encantada e ao mesmo curiosa em saber a posteridade dos personagens. Sou incipiente na doutrina espirita, estou lendo a serie Romances de Emmanuel. Amo muito tais leituras e peço ao Pai Celestial que os dê em dobro todos os regozigos que temos ao lermos seus maravilhosos livros!
Como é bom ler um romance e saber que não é ficção...que aconteceu e que os personagens podem estar entre nós ainda...que maravilha!!

Abraço fraterno da irmã Ivânia
meu email: ivaniamendes@gmail.com.br