terça-feira, setembro 19, 2006

Entrevista de Alcione Peixoto sobre Peixotinho.

O " ESPIRITISMO CRISTÃO" Apresenta a Entrevista dada pela nossa irmã Alcione Peixoto ao site
"Portal do Espiritismo"
1- QUEM FOI PEIXOTINHO?
R. Para os espíritas foi o grande médium de efeitos físicos que veio como contemporâneo de seu amigo Chico Xavier, para, através de sua mediunidade, levantar mais uma pontinha do véu que envolve as realidades do mundo dos espíritos. O que André Luiz descortinava pela psicografia de Chico Xavier era materializado aos olhos dos presentes a essas reuniões de ectoplasmia. Aparelhos descritos por André Luiz em sua obra estiveram sob os olhos dos encarnados. Exemplo disso é o psicoscópio, que ausculta a alma com poder de definir-lhe as vibrações e efetua diversas observações sobre a matéria, como explica André Luiz no livro Nos Domínios da Mediunidade. Peixotinho complementava a obra de Chico com a comprovação daqueles fatos. Por isso vieram na mesma época. Diferencia-se dos demais medianeiros de efeitos físicos pela espontaneidade e autenticidade dos fenômenos e pela luminosidade dos espíritos que por ele se materializavam. A luz era tão intensa que a assistência precisava fechar os olhos até se habituar a ela lentamente. Exemplo disso foram as materializações de Bezerra de Menezes, Clarêncio e outros menos conhecidos do mundo espírita, mas de igual evolução.Para nós, seus filhos, e para os amigos que nos freqüentavam o lar simples, Peixotinho era o amigo, era alegria, bom humor, simplicidade, humildade, e doçura constantes. Sua capacidade de compreender as pessoas, sua compaixão, sua hospitalidade, sua imensa capacidade de perdoar, foram sempre destacadas por todos que o conheceram. Ele e Baby, nossa mãe, foram missionários silenciosos do espiritismo no Brasil. Juntos, eram como farol a iluminar muitas vidas. Muitos Templos Espíritas se multiplicaram a partir deles por nossa região e pelo Brasil.

2-QUANTOS IRMÂOS VOCÊ TEM?
R. Peixotinho teve nove filhos. Uma das filhas - Araci - desencarnou com pouco mais de um ano de idade. Criou com sacrifício os oito filhos. Um único homem (o mais velho) e sete mulheres. Portanto, tenho seis irmãs. Uma destas - Ceila - desencarnou há quinze dias, no dia 20 de agosto de 2006.

3-COMO ERA A VIDA NORMAL DE PEIXOTINHO?
R. Ele militar do Exército e, por isso, teve a vida muito agitada por transferências constantes. Para onde era transferido buscava os espíritas do lugar e instalava logo o receituário homeopático. Era psicógrafo, médium mecânico, vidente, audiente etc. Embora seu compromisso fosse com a ectoplasmia, a ele abria-se um imenso leque de possibilidades mediúnicas. A presença de minha mãe em sua vida acompanhando-o aonde quer que ele fosse, foi o grande amparo ao seu trabalho. Peixotinho era um homem antenado com seu tempo. Acompanhava a política, o futebol como qualquer outro brasileiro. Gostava muito de cinema, de música, tanto as clássicas como os ritmos que lhe lembrava o seu nordeste distante. Gostava muito de conversar, de receber visitas, e, sobretudo de viajar. Nossa casa era sempre cheia. Muito alegre, os nossos colegas jovens adoravam estar conosco e conversar com papai. Também a chegada constante de doentes de todo o Brasil que vinham em busca de tratamento de saúde movimentava nossa casa. Doentes do corpo e da alma e até mesmo doentes mentais. Ele abrigava a todos junto a nós, seus filhos, sua família, com a maior naturalidade e com fé na recuperação de todos. Muitos batiam à nossa porta vindos de cidades distantes sem nos conhecer. E vinham com grandes malas para ficar até o fim do tratamento, na certeza de que teriam abrigo certo nessa casa simples onde hoje eu moro.

4- COMO SE TORNOU ESPÍRITA?
R. Pela própria mediunidade. Na adolescência, em fase de explosão mediúnica aguda, passou por um processo de catalepsia do qual só despertou depois de já estar amortalhado, o que chamou a atenção de muita gente. A notícia correu e o grande tribuno espírita, Major Viana de Carvalho que, na época, ocupava posto de comando em unidade do Exército Brasileiro no Ceará, tomou conhecimento do sofrimento daquele jovem e foi em seu socorro. Saiu desse episódio paraplégico. Foi amparado pela casa espírita que mais tarde veio a ser a Federação Espírita do Estado do Ceará, onde Viana de Carvalho atuava. Com passes e água fluídica ficou curado. Foi Viana de Carvalho o seu orientador na seara espírita. E Peixotinho foi fiel às orientações desse mestre, mantendo por toda sua vida fidelidade a Jesus e a Kardec.
5-QUANDO É QUE ELE DESCOBRIU QUE TINHA CAPACIDADE DE PROMOVER MATERIALIZAÇÕES?
R. Foi em Macaé, em 1936, no Grupo Espírita Pedro e soube por revelação dos espíritos que deram todas as instruções para a realização das reuniões de efeitos físicos. Muitos obstáculos foram vencidos entre eles a sua saúde deficiente, já que era portador de uma asma que não lhe dava descanso, e a falta de preparo espiritual dos assistentes, tendo em vista que ele foi o primeiro médium com tarefa tão definida, numa área mediúnica dedicada exclusivamente ao tratamento de doentes.

6-DAS VÁRIAS MATERIALIZAÇÕES QUE REALIZOU QUAL A QUE MAIS O IMPRESSIONOU?R. Ele não assistia às materializações. Saía do corpo físico levado por uma equipe da espiritualidade. Voltava contando-nos maravilhas da vida espiritual. Contudo, vibrava com os relatos dos companheiros a respeito dos espíritos de luz que se materializavam. Creio que o relato que mais o impressionou foi a descrição do Ministro Clarêncio, de Nosso Lar, que visitou o Grupo Aracy, onde ele atuava como médium. Também a descrição da doçura de Dr. Bezerra de Menezes e de Nina Arueira que na Terra fora noiva do Prof. Clóvis Tavares. Uma senhora costureira que a viu, disse que teve vontade de copiar seu vestido tecido em luz como se fosse de um luar brilhante. Outra bem comentada foi a de sua filha Aracy, espírito de muita luz, desencarnada em 1937, que se materializou vestida como uma linda moça em trajes típicos da Espanha. Sheilla, José Grosso e outros estavam sempre conosco. Essas reuniões eram dirigidas pelo espírito Garcês.

7- E A FAMÍLIA, COMO RECEBIA ESSAS REALIZAÇÕES DO QUERIDO MÉDIUM?
R. Toda a família se beneficiava espiritualmente de seus dons mediúnicos. Fomos muito protegidos pelos benfeitores para que ele produzisse melhor. Ele fazia conosco um culto diário, onde estudávamos o Novo Testamento e ele ficava feliz com nosso progresso no conhecimento dos relatos do Evangelho de Jesus. Lastimo que os lares espíritas não cultivem o hábito de ler o Novo Testamento. Durante nossas orações, os benfeitores compareciam para abençoar nossa infância feliz, premiando-nos com a materialização de flores e perfumes que jorravam sobre nossas pequeninas cabeças. Materialmente éramos muito pobres, mas não nos dávamos conta disso. Nosso lar era tão bom, feliz e alegre!...

8-ALGUÉM MAIS DA FAMÍLIA TEM ESSE TIPO DE MEDIUNIDADE?R. Sim. Mas não tão ostensiva como a de Peixotinho. Eu e Joana chegamos a atuar como médium auxiliar. Joana dedicou-se mais à tarefa de efeitos físicos. Agora um sobrinho e um dos meus filhos apresentam fortes indícios dessa mediunidade. Nossas tarefas na doutrina, contudo, não se prendem a essa forma mediúnica. Trabalhamos, eu minhas irmãs Nina e Joana com outras dons mediúnicos. Mas os espíritos, com certeza, aproveitam-nos sempre a possibilidade de doação ectoplásmica em benefício de doentes. Mesmo que não tenhamos disso consciência.

9- AQUELES QUE NA ÉPOCA VIVIAM EM CONTATO COM A FAMÍLIA AINDA SE MANTÊM AMIGOS DE VOCÊS?R. A maioria dos amigos que nos freqüentava já desencarnou. Os que permanecem na Terra estão sempre conosco. Também os filhos deles continuam a fazer parte de nosso círculo de relações. Todos relembram com uma saudade bonita e suave os momentos vividos em nossa casa. Uma das senhoras aqui tratadas de um câncer na década de 50 e que ainda vive no Rio, chama nossa casa de "Cantinho do Céu".

10- COMO ERA A VIDA DE VOCÊS TENDO UM PAI TÃO CONHECIDO E COMENTADO NO MEIO ESPÍRITA?
R. A vida comum de toda juventude da época, acrescida das tarefas junto aos sofredores, como visita aos doentes, presídios e a lares pobres onde levávamos alimentos e roupas. Isso desde nossa primeira infância era um fato tão normal como o era para nós a mediunidade dele. Quando menina, eu achava que em todas as casas aconteciam tais fenômenos e se convivia naturalmente com os Espíritos. Descobri que nossa casa era diferente através de uma grande dor. Contei fatos acontecidos em casa na escola e fui muito castigada. Narro tudo isso no livro "MATERIALIZAÇÃO DO AMOR" do prof. Humberto Vasconcelos, editado pela DOXA, que considero a melhor obra sobre Peixotinho. Na verdade nunca o vimos como alguém especial, diferente. Sua humildade extrema não nos permitiu dimensionar sua importância para o desenvolvimento do Espiritismo no Brasil. Todos que o conheceram de perto têm a mesma opinião. Só depois de sua morte pudemos avaliar a grandeza de sua obra e de seu espírito. O próprio Chico Xavier, em conversa com o prof. Clóvis Tavares, certa vez, tira do bolso do paletó um retrato de Peixotinho e afirma que foi o maior médium de efeitos físicos que ele conheceu e referiu-se a sua humildade para justificar a pouca divulgação dada à época ao seu trabalho, dizendo que Peixotinho era muito evangelizado, daí os fenômenos serem tão luminosos.

11- COMO É A VIDA DA FAMÍLIA HOJE SEM A PRESENÇA DO MÉDIUM?
R. Sua presença continua uma constante em nossas vidas. Eu, particularmente, estou sempre a receber-lhe as orientações amigas. Falamos tanto nele que seus netos e bisnetos que não o conheceram têm a maior familiaridade com ele e citam-no sempre. Alguns dos seus filhos dedicaram-se mais intensamente às tarefas espíritas. Uns na tribuna, outros nas tarefas mediúnicas ou assistencial e outros guardam só na memória suas lições e se esforçam por praticá-las na vida, sem, porém, manterem maior vinculação com a Casa Espírita. Alguns de seus netos já militam com brilhantismo na tribuna espírita no Recife, são doutrinadores, médiuns, evangelizadores etc.

12- QUAIS AS LEMBRANÇAS E OBJETOS QUE A FAMÍLIA GUARDA DAS MATERIALLIZAÇÕES QUE PEIXOTINHO REALIZAVA?R. Como Chico Xavier, ele distribuía tudo. Às vezes queríamos guardar uma pedra bonita que os espíritos nos davam, mas logo chegava alguém que a vira cair e pedia-nos. Delicadamente, ele nos sugeria a dádiva. Depois dizia-nos: "vocês têm isso tudo todos os dias...". Obedecíamos. Por isso ficamos sem nada material, a não ser alguns poemas escritos pelos próprios espíritos materializados. Mas ficamos com a melhor parte, como Maria de Betânia, as lembranças e os exemplos que nos cabe multiplicar.

13- O QUE NÃO TE PERGUNTEI E QUE VOCÊ GOSTARIA DE RESPONDER?R. A sua entrevista foi bem abrangente e possibilitou-me saudosos relatos. Gostaria, porém, de reafirmar que não existem bons médiuns sem que exista antes um bom homem, um homem cristão em todas as horas de seu dia. Esse é o grande medianeiro a serviço de Jesus na Terra.

14- MANDE SEU RECADO FINAL AOS AMIGOS DO PORTAL DO ESPIRITISMO

.R. Que os companheiros do PORTAL DO ESPIRITISMO se unam às minhas preces de gratidão a Jesus por proporcionar aos homens tantos avanços tecnológicos e por estarem os senhores utilizando essa tecnologia a serviço do desabrochar dos mais elevados sentimentos no espírito dos homens; unindo, assim, conhecimento a sentimento, equilibrando as asas suaves que nos permitirão o vôo definitivo no rumo do Amor de Deus. Mesmo sabendo de minha pobreza espiritual, disponibilizo-me sempre para qualquer atividade em que possa ser útil ao trabalho dos senhores. Que Jesus os ilumine!

Alcione Peixoto Cordeiro. Em Campos dos Goytacazes, 5 de setembro de 2006.
O Portal do Espiritismo agradece de coração a atenção que nos foi dispensada por Alcione Peixoto, na concessão desta entrevista que nos possibilita conhecer mais de perto a vida desse extraordinário médium, rogando a Deus que onde estiver o nosso querido Peixotinho, Jesus com ele também esteja, e a você querida Alcione e a toda família, nossos votos de que todos tenham sempre a assistência dos Bons Espíritos.

Um comentário:

maria do carmo disse...

Fiquei muito emocionada com a leitura da entrevista da sra. Alcione. Já considerava o médium Peixotinho um homem de grandes qualidades, sem conhecê-lo muito bem. Agora, após a leitura deste relato, considero-o mais um dos muitos espíritos que o Senhor tem nos enviado para que possamos aprender a praticar o Evangelho em nosso dia-a-dia.
Obrigada sra. Alcione e obrigada Flávio, por ter oportunizado ao meio espírita a leitura de tão lindo, simples e sincero depoimento.