terça-feira, setembro 12, 2006

DIA DE AUTA DE SOUZA, 12 DE SETEMBRO

Poesia em vida ( Horto, 1900)

FIO PARTIDO

Fugir à mágoa terrena
E ao sonho, que faz sofrer,
Deixar o mundo sem pena
Será morrer?

Fugir neste anseio infindo
À treva do anoitecer,
Buscar a aurora sorrindo
Será morrer?

E ao grito que a dor arranca
E o coração faz tremer,
Voar uma pomba branca
Será morrer?

II

Lá vai a pomba voando
Livre, através dos espaços...
Sacode as asas cantando:
“Quebrei meus laços!”

Aqui, n’amplidão liberta,
Quem pode deter-me os passos?
Deixei a prisão deserta,
Quebrei meus laços!

Jesus, este vôo infindo
Há de amparar-me nos braços
Enquanto eu direi sorrindo:
Quebrei meus laços!
(Janeiro de 1901, no HORTO)


O SENHOR VEM...
E eis que Ele chega sempre de mansinho,
Haja sol, faça frio ou tempestade;
Veste o manto do amor e da verdade,
E percorre o silêncio do caminho.

Vem ao nosso amargoso torvelinho,
Traz às sombras da vida a claridade,
E os próprios sofrimentos da impiedade
São as bênçãos de luz do seu carinho.

Como o Sol que dá vida sem alarde,
Vem o Senhor que nunca chega tarde,
E protege a miséria mais sombria. Ele chega.

E o amor se perpetua...
É por isso que o homem continua
Ressurgindo da treva a cada dia
(Psicografia de Francisco Cândido Xavier, no Parnaso de Além Túmulo)

Um comentário:

Juliana disse...

Muito bonitas as poesias! Gostei!