sábado, novembro 05, 2005

UM CONTO CHINÊS

Oi Pessoal, tentarei em alguns tópicos próximos defender a união da família como uma causa atual , necessária e uma questão de segunrança no caos psíquico que atravessamos, entendendo como já dizia Machado de Assis: " a confusão é geral."
Escolhi como o primeiro tópico esta conto chinês que fala de nossa decisão de amar como um ato volitivo e necessário para a consecução de nossos necessários ajustes espeirituais.
Flávio

"Um esposo foi visitar um sábio conselheiro e disse-lhe que já não amava sua esposa e que pensava em separar-se.O sábio escutou-o, olhou-o nos olhos e disse-lhe apenas uma palavra:- Ame-a. E logo se calou.- Mas, já não sinto nada por ela!- Ame-a, disse-lhe novamente o sábio.E diante do desconcerto do senhor, depois de um breve silêncio, disse-lhe o seguinte: "Amar é uma decisão, não um sentimento.Amar é dedicação e entrega.Amar é um verbo e o fruto dessa ação é o amor.O amor é um exercício de jardinagem. Arranque o que faz mal, prepare o terreno,semeie, seja paciente, regue e cuide.Esteja preparado porque haverão pragas, secas ou excessos de chuvas mas nem por isso abandone o seu jardim.Ame seu par, ou seja, aceite-o, valorize-o, respeite-o, dê afeto e ternura, admire e compreenda-o.Isso é tudo.Ame!!! "

Um comentário:

Juliana disse...

Axei mto interessante essa visão do amor como uma decisão! Claro que mtos casos acontece naturalmente, mas axu q devemos forçar a barra em certas vezes para conseguirmos amar alguém!
Jesus não nos mandou amarmos os inimigos???
Um abraço, pai!