sábado, abril 07, 2007

Variações sobre a Epístola de Tiago sobre a Fé e a Razão



Mostra-me a tua fé sem obras e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras. Tg 2:18




Apresenta-me a tua certeza no Amor de Deus sem convertê-la em ações beneméritas e eu apresentarei a ti a minha certeza no Amor de Deus representada pela minha bondade.


Fala na certeza de tua salvação sem que isso transforme o teu caráter e eu te mostro a certeza de salvação através da mudança de meu caráter.


Mostra-me a certeza de que Deus te conhece pelo nome sem que necessites realizar nada, que eu te mostro que Ele passou a me conhecer por que eu procuro realizar algo em favor da instalação do Seu Reino de Amor.


Se me queres demonstrar Piedade sem perdão, eu te mostro a minha Piedade através de meu intuito de perdoar.


Se me queres mostrar a tua Esperança sem humildade, eu te mostro a minha Esperança por intermédio de minha humilhação.


Falas de tua religiosidade sem fraternidade e eu quero apenas através da fraternidade exercitar a minha religiosidade.


Se te dizes arrependido por palavras, vem que eu te mostro o meu arrependimento pelas minhas reparações.


E se tens coragem sem saberes sofrer, eu te apresento a minha coragem por meio de minha tolerância.


Se, enfim, clamas tua Salvação, sem reconhecer que o Amor de Deus é tão imenso que indistintamente, a todos abraça,


Se reconheces-te salvo a partir da condenação de teu irmão,


Se o ponto de referência de tua salvação é a perdição dos teus amigos,


Eu te mostro que entendo e quero a Salvação de toda a criação, num inefável amplexo cósmico que a todos reabilita na sucessão de reencarnações com vistas a grande reconciliação com o Eterno.




Flávio Mussa Tavares

3 comentários:

Juliana disse...

Neste ano dos 150 anos do Livro dos Espíritos, a epístola de Tiago confirma o lema "Fora da caridade não há salvação". Seu texto é uma belíssima interpretação da epístola de Tiago!
Parabéns!!!

nedram disse...

Desculpem ser do contra, mas as obras não dizem tudo, nao revelam as reais e intimas intenções. O nível inconsciente que motiva e leva alguem a praticar caridade é desconhecido até mesmo por elas, então como dizer que a caridade em si é a salvação???
Eu até entendo a frase "caridade e salvação", mas acho que é preciso aprofundar e ser menos sentimental em acharmos que basta cumprimos obras caritativas.
Nem eu e nem você se conhece a ponto de afirmar com categoria que nossas boas obras estão inconscientemente motivas pela simples vontade de realiza-las, e ainda mais sabendo que a caridade elevaria minha moral e minha evolução espiritual...

Flávio Mussa Tavares disse...

Nedran, concordaria CONTIGO em absolutamente TUDO em gênero, número e grau , se você postasse nestes comentários, a resposta a esta pergunta: Um Pedófilo, autor de crimes de lesão corporal grave , algumas seguidas de morte contra meninas impúberes arrepende-se e aceita Jesus como seu salvador antes de sua morte. De outro lado, temos uma figura como Gandhi, que libertou a Índia da esravidão à Inglaterra, em pleno século XX, sem derramar uma gota de sangue, clamando pela justiça e pelo método da não violência, que morreu sem ter aceito o Cristo como seu salvador. Onde estão estas duas almas?